O mandato do presidente estadual do PSB da Paraíba, Edvaldo Rosas, vai até o final de 2020 e assim deve ser concluído. Só após esse período é que o comando da sigla poderá ser alterado. Pelo menos é essa a visão do líder do Governo João Azevêdo na Assembleia Legislativa da Paraíba, Ricardo Barbosa (PSB), que reforçou, nesta sexta-feira (16), sua solidariedade ao nome do secretário do Gabinete Civil e presidente estadual do PSB paraibano, Edvaldo Rosas, diante do imbróglio gerado por parlamentares da ala feminina do PSB, que foram a público na última incitar a troca de comando na agremiação.

Segundo Barbosa, Rosas está fazendo um excelente trabalho à frente da sigla, tanto é que nesse processo ele agigantou-se, e sairá maior do que entrou.

“Fui filiado ao PSB quando Ricardo Coutinho e Estela Bezerra eram do PT, portanto tenho toda a legitimidade para falar sobre o PSB, e volto a dizer que essa discussão é inócua e inoportuna. Rosas está fazendo um bom trabalho e acho que ele saiu foi maior desse processo. Ele estava lá caladinho, é uma figura serena, de pouca conversa, não gosta de holofotes e protagonizaram essa saída de Edvaldo e ele agigantou-se”, ressaltou.

Após o imbróglio, o atual presidente do PSB já recebeu a solidariedade de diversas lideranças do partido, inclusive do chefe do poder legislativo, Adriano Galdino (PSB) e do chefe do poder executivo, João Azevêdo (PSB).

“Rosas tem a solidariedade do presidente da Assembleia, que é do PSB, do líder do governo, que é PSB, da grande maioria, dos diretórios municipais, do governador João Azevêdo. Eu acho que fortaleceram Edvaldo e ele merecia esse fortalecimento, ele já saiu fortalecido com o convite para comandar uma das principais pastas. O PSB deveria comemorar. Se você tem o seu presidente cuidando e fazendo o partido crescer, com a ajuda de outros colegas, e ele é ungido a uma condição de espaços valiosos do ponto de vida da capilaridade do governo, ele devia ter recebido era moção de aplauso e não a tentativa de ser defenestrado”, ressaltou.

Para Barbosa, essa movimentação não irá vingar e Rosas deverá permanecer até o final do mandato, que vai até dezembro de 2020.

“Acho que isso não vai vingar. Quando terminar o mandato, final do ano que vem, e se for ricardo o candidato, acabou-se, não terá nem disputa e Ricardo será o presidente”, arrematou. As declarações repercutiram na Arapuan FM.

 

PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Hervázio Bezerra sinaliza que pode deixar PSB se João Azevêdo sair da sigla

O Partido Socialista Brasileiro deverá perder três nomes de peso devido a disputa interna pelo comando do partido, e que colocaram o governador João Azevedo e o ex governador Ricardo…

TSE decide que candidaturas laranjas levam à cassação de toda a chapa

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu na noite de hoje que a presença de candidaturas laranjas para fraudar a cota mínima de candidatas mulheres deve levar à cassação de toda…