Diante da crise política, que não mostra sinais de arrefecimento, e da falta de perspectivas, a médio prazo, de que o país volte a navegar em águas serenas, a tese de que novas eleições presidenciais seriam a saída para que o Brasil retorne aos trilhos e comece a encontrar soluções sólidas para se reerguer ganha cada vez mais força.

Quem previa que o impeachment da presidente Dilma Rousseff traria a estabilidade necessária ao país viu os ânimos se acirrarem, sobretudo após uma sequência de escândalos que derrubou dois importantes ministros recém-empossados do presidente interino Michel Temer. E mais grave do que as quedas foi o motivo pelo qual elas aconteceram. Romero Jucá, do Planejamento, foi flagrado em gravação afirmando que seria importante um pacto para “estancar a sangria”, numa referência à Operação Lava Jato. Fabiano Silveira, da Transparência, também foi flagrado em gravação criticando a Operação Lava Jato e dando orientações para a defesa de investigados em esquema de desvios de recursos na Petrobras.

Como se não bastasse o desgaste e o estrago causados pelo vazamentos, outros três integrantes da equipe de Temer enfrentam forte pressão: a secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, é apontada pelo Ministério Público Federal como integrante de uma “articulação criminosa”. O advogado-geral da União, Fabio Osório, após ter criado uma sequência de embaraços com Michel Temer, também ficou por um triz. E o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, se viu envolvido em denúncias de que teria recebido dinheiro desviado da Petrobras para abastecer a campanha ao governo do Rio Grande do Norte em 2014.

Além destes desgastes, Temer enfrentou forte resistência após extinguir o Ministério da Cultura e não ter nomeado nenhuma mulher para o seu ministério. Semanas depois de assumir a presidência de forma interina, diante dos protestos, Temer voltou atrás e recriou o ministério. Mesmo assim, uma boa parte da população não vê em Temer legitimidade para governar o país, já que ele não chegou à Presidência pelo voto direto dos eleitores, e sim pelo afastamento daquela que recebeu os 54 milhões de votos nas eleições de 2014.

Se o cenário é claramente desfavorável – e até com repercussão internacional – para o governo Michel Temer, a possível volta da presidente afastada Dilma Rousseff também não é vista como a solução para o país. Há fortes correntes afirmando que ela não teria governabilidade, principalmente após o profundo desgaste com a Câmara de Deputados, onde houve uma expressiva votação a favor de seu impeachment. Dilma encontraria dificuldades para compor uma equipe, após o rompimento com o PMDB, e teria imensas dificuldades para aprovar projetos urgentes para o país, com um Congresso em forte oposição.

Em entrevista ao Jornal do Brasil em abril deste ano, o ex-senador Pedro Simon – mesmo tendo sido do mesmo partido de Temer, o PMDB – já defendia a sua renúncia e a convocação de novas eleições.

“O ideal era o [vice-presidente Michel] Temer renunciar e se partir para a convocação de uma eleição para presidente. Temer poderia fazer um grande entendimento, chamar todos e, primeiro, garantir de independência para a Operação Lava Jato. Depois, dar prosseguimento para a escolha de um novo presidente e vice-presidente. Seria uma saída espetacular”, disse Pedro Simon ao JB.

Em sua entrevista à TV Brasil na última quinta-feira (9), a presidente afastada Dilma Rousseff defendeu a consulta para que população decida se quer novas eleições. “O pacto que vinha desde a Constituição de 1988 foi rompido e não acredito que se recomponha esse pacto dentro de gabinete. Acredito que a população seja consultada”, disse.

Projeto para plebiscito que antecipa eleições presidenciais chega ao Senado

Paralelamente, começou a tramitar no Senado, no dia 1º de junho, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 28/2016, que prevê realização de plebiscito nacional, no primeiro turno das eleições municipais de 2016, questionando o eleitor sobre a realização imediata de novas eleições para presidente e vice-presidente da República.

A proposta, de autoria do senador Walter Pinheiro (sem-partido-BA), recebeu o apoio de 32 senadores. Pela PEC, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) será o responsável pela convocação e regulamentação do plebiscito, ao qual o eleitor deverá responder “sim” ou “não” para a seguinte pergunta: Devem ser realizadas, de imediato, novas eleições para os cargos de presidente e vice-presidente da República?

De acordo com a PEC, se o número de votos em favor da realização de novas eleições imediatas for igual ou superior à maioria dos votos válidos, o TSE convocará o novo sufrágio para 30 dias após a proclamação do resultado do plebiscito. Pelo texto, o mandato dos eleitos finaliza em 31 de dezembro de 2018.

Além disso, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) anunciou na última quarta-feira (8) que se reuniu com 30 senadores e o grupo concordou com a ideia de convocar eleições diretas em breve.

“Num jantar com 30 senadores esta noite, estupefatos com últimos acontecimentos, convergimos para eleições diretas muito logo. Povo decide!”, postou o paranaense no Twitter.

O número supera o de votos necessários para encerrar o processo de impeachment de Dilma Rousseff, que é 27, e dá novo ânimo para os aliados da presidente afastada. Na votação para admissibilidade do impeachment, foram 22 votos contrários e 55 a favor.

Ainda que pertença ao PMDB, o senador Requião faz críticas ao modelo econômico defendido pela equipe do presidente interino Michel Temer, do mesmo partido.

 

 

JB Online

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Projeto de Veneziano vai regulamentar recebimento de denúncias e pedidos de impeachment

Projeto de Lei apresentado pelo senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) nesta terça-feira (02) vai propor uma alteração na Lei nº 1.079, de 10 de abril de 1950, para regulamentar…

2020: Manoel Jr diz que “Cícero Lucena é o principal nome em JP”

Prevendo a ascensão do ex-senador Cícero Lucena nos próximos meses que antecedem o pleito eleitoral, o vice-prefeito de João Pessoa Manoel Júnior, acredita que o, agora Progressista, seja o futuro…