Diante das dificuldades de entendimento com partidos da base aliada em diferentes estados, o comando nacional do PT convocará os dirigentes regionais da sigla, no início de dezembro, para reafirmar que a prioridade número um da legenda no ano que vem é a reeleição da presidente Dilma Rousseff. O encontro, que será promovido em São Paulo, tem como objetivo evitar a necessidade de intervenção da direção nacional na definição de candidaturas estaduais que possam prejudicar acordos partidários em torno da disputa ao Palácio do Planalto.

O PT enfrenta atualmente desentendimentos e indefinições em estados como Rio de Janeiro, Espírito Santo, Ceará, Maranhão, Santa Catarina, Pernambuco e Goiás. Já o presidente do PMDB, Valdir Raupp revelou que cada um vai ter que se virar e usar as suas armas, além de ter minimizado as forças do PT. Para ele, na conjuntura atual, a união entre PT e PMDB só é possível no Para, Rondônia, Amazonas, Rio Grande do Norte e Paraíba.
Identificar “descompasso”
O presidente nacional do PT, Rui Falcão, que foi reeleito para novo período de quatro anos, reconheceu que o encontro tem como finalidade evitar futuras intervenções e identificar algum “descompasso” ou “falta de sintonia”. Segundo ele, todos os diretórios estaduais da sigla estão cientes de que a estratégia prioritária da legenda no ano que vem é a reeleição da presidente. Em entrevista coletiva, na capital paulista, o dirigente petista ressaltou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá um “papel muito forte” tanto na eleição presidencial como nas estaduais.

— Todos os nossos diretórios estão convictos de que a prioridade é a reeleição da presidente. Isso já aconteceu em 2010 e deve ocorrer agora. É para isso, para haver uma sintonia mais fina, que nós vamos convocar uma reunião com todos os presidente estaduais, em São Paulo, para ter esse quadro nacional e avaliar se há algum descompasso, alguma falta de sintonia. Justamente, para que não haja nenhum tipo de intervenção — afirmou.

Ao todo, PT e PMDB, aliados em âmbito nacional, devem estar em lados opostos em até 11 estados na disputa do ano que vem. Segundo o dirigente nacional do PT, a sigla deve lançar entre dez e 12 candidaturas próprias, e, nos demais estados, a tendência é apoiar legendas da base aliada. No Maranhão e no Espírito Santo, no entanto, lideranças regionais defendem candidaturas adversárias às do PMDB e, em Goiás e Ceará, pregam nomes próprios, o que tem sido motivo de reclamação da legenda aliada no governo federal. Em Santa Catarina, o presidente estadual eleito tem defendido candidatura própria, contra o interesse do diretório nacional de apoiar a reeleição de Raimundo Colombo, do PSD.

Redação com o Globo

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

JP: vereadores tentam justificar prazo vencido para apresentação da LOA 2020

A proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, da Prefeitura Municipal de João Pessoa, apesar de já está com prazos vencidos de apresentação na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP),…

CRISE NO PSB: “Temos que aguardar o último capítulo dessa novela” diz Hervázio

Na manhã desta segunda-feira (14), durante entrevista a uma emissora de rádio da Capital paraibana, o secretário da Juventude, Esporte e Lazer da Paraíba, deputado Hervázio Bezerra (PSB) disse que…