Por pbagora.com.br

O presidente do Senado Federal o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), emitiu nota de pesar em nome do Congresso Nacional pela morte do senador José Maranhão (MDB). O senador ainda cancelou a sessão deliberativa que aconteceria nesta terça-feira (9).

“É com grande pesar que o Congresso Nacional recebe a confirmação, nesta segunda-feira (8), da morte do senador paraibano José Maranhão, aos 87 anos, vítima de complicações decorrentes da Covid-19. Em homenagem à sua memória, o Senado Federal decreta luto oficial de 24 horas. Ficam mantidas as reuniões internas de trabalho, como a Reunião de Líderes da Casa”!, lamentou.

Na nota, o presidente do Senado destacou a trajetória política e o legado do senador José Maranhão,.

“José Targino Maranhão cumpria o seu segundo mandato como senador da República. Maranhão começou na política na década de 1950. Precisamente em 1955, quando foi eleito deputado estadual, cargo para o qual foi reeleito por mais três mandatos. Também foi três vezes deputado federal. E governador do estado da Paraíba em três ocasiões. As sinceras condolências do Parlamento Brasileiro à família, amigos e a todos os paraibanos e paraibanas”, escreveu o presidente do Senado.

Colegas lamentam
Em suas redes sociais, senadores lamentaram a morte do colega. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) lembrou que Maranhão teve participação importante na história política do país. “Era no Senado o único senador remanescente do golpe militar de 1964. Ele foi cassado pela ditadura e ajudou na fundação do MDB”, tuitou. “De longe um dos maiores expoentes da nossa política, em muito contribuiu no parlamento”.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) destacou que Maranhão foi “uma referência da política nordestina” e Cid Gomes (PDT-CE) o considerou “um defensor do Nordeste”. Também já se manifestaram Weverton (PDT-MA), Roberto Rocha (PSDB-MA) e Telmário Mota (Pros-RR) para quem Maranhão foi um lutador “a favor da vida dos paraibanos e brasileiros”.

Davi Alcolumbre (DEM), senador pelo Amapá: “Recebo com tristeza a partida do senador José Maranhão, no início da noite desta segunda-feira (8), em decorrência de complicações da Covid 19. Zé Maranhão foi deputado estadual, deputado federal, vice-governador e governador do estado da Paraíba em três ocasiões. Uma vida dedicada ao serviço público.”

A suplente de Maranhão, Nilda Gondim, e o senador Veneziano Vital do Rêgo, filho dela, ambos do MDB-PB, divulgaram nota lamentando a morte do senador. “Mais que uma perda de um grande homem público para a Paraíba, perdemos um ser humano incomum, um homem de extrema dedicação às causas paraibanas e ao seu estado”, afirmou Veneziano. “José Maranhão deixo exemplos para as gerações futuras, de como amar e se dedicar à sua terra e à sua gente. Um homem forte, que lutou até enquanto pôde pela vida”, destacou Nilda Gondim. O senador Eduardo Gomes (MDB-TO) também divulgou nota em solidariedade à família.

Veja a íntegra da nota do presidente do Senado:

“É com grande pesar que o Congresso Nacional recebe a confirmação, nesta segunda-feira (8), da morte do senador paraibano José Maranhão, aos 87 anos, vítima de complicações decorrentes da Covid-19. Em homenagem à sua memória, o Senado Federal decreta luto oficial de 24 horas. Ficam mantidas as reuniões internas de trabalho, como a Reunião de Líderes da Casa.

José Targino Maranhão cumpria o seu segundo mandato como senador da República. Maranhão começou na política na década de 1950. Precisamente em 1955, quando foi eleito deputado estadual, cargo para o qual foi reeleito por mais três mandatos. Também foi três vezes deputado federal. E governador do estado da Paraíba em três ocasiões. As sinceras condolências do Parlamento Brasileiro à família, amigos e a todos os paraibanos e paraibanas.”

PB Agora

Notícias relacionadas

Mãe e irmã de Watteau Rodrigues morrem vítimas da covid em intervalo de 24h

Morreu ontem (03), a mãe de Watteau Ferreira Rodrigues, ex-vereador e ex-candidato a vereador nas eleições de 2020, Maria do Carmo Ferreira estava internada em tratamento contra a covid-19, a…

Opinião: o clã Cunha Lima está ameaçado e Pedro pode ser a pedra no sapato do grupo

A verdade é crua. Talvez possa ser amenizada com toques de sal. Desidratar é a palavra chave. E se formos ao Egito antigo, uma dinastia passava aos seus posteriores a…