Por pbagora.com.br

 O PPS aprovou ontem à noite, durante congresso do partido em São Paulo, indicativo de apoio à aliança Rede-PSB de Marina Silva e Eduardo Campos nas eleições de 2014. Com 152 votos, essa proposta superou a que defendia uma candidatura própria da legenda, que obteve 97 votos. "A unidade do PPS é que é fundamental, não tem derrotados nem vencedores", declarou o presidente nacional do partido, Roberto Freire, defensor do apoio de seu partido à candidatura ao Planalto do governador de Pernambuco.

 

O indicativo vitorioso, de apoio a Eduardo Campos, recebeu votação maciça dos delegados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Bahia e outros Estados. Os diretórios de Minas e do Rio, inicialmente, apoiavam a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB), mas, de última hora, decidiram se manifestar pela candidatura própria do partido.

 

Defensor da candidatura própria, Raul Jungmann, vereador no Recife, disse: "Temos que ter cuidado com as pressões do PSDB, com as ofertas do PSDB. O nosso partido não é venal, temos que fazer a hora. Não sou eduardista, serrista, aecista, sou pepessista."

 

Pela manhã, Freire quis demonstrar que a decisão do partido era fruto de debate interno, e não de pressões de outras legendas. Aécio também desejava contar com o apoio da legenda na campanha presidencial de 2014 e tentava reverter a tendência do PPS de apoiar o governador pernambucano. "O Aécio pode fazer as articulações que quiser, mas quem decide nossa posição é o PPS. Não somos sublegenda de ninguém", disse Freire ao Estado, no início dos debates no congresso da sigla, que termina hoje.

 

Embora o PPS tenha bancada pequena – são sete deputados na Câmara – e, consequentemente, pouco tempo na propaganda de rádio e TV, tanto Campos quanto Aécio consideravam simbólico atrair o apoio do partido. Ambos queriam demonstrar que não estão isolados em seus projetos de candidatura e a adesão de um partido tradicional cumpriria essa função.

 

"O apoio ao Campos significa um reencontro de um partido de vertente comunista, o PPS, e outro de vertente socialista, o PSB, que historicamente é um aliado nosso", afirmou Freire.

 

Com a indicação de apoio ao PSB, Aécio e o PSDB correm o risco de entrarem isolados na campanha, ou coligados apenas ao DEM. A estratégia do senador mineiro para implodir o projeto de Freire tinha sido mobilizar os diretórios do PPS nos oito Estados governados pelos tucanos e de outros regionais mais próximos do PSDB. A ideia era pelo menos adiar o anúncio formal e ganhar tempo. Um terceiro grupo se organizou para defender a tese de que o partido lançasse a ex-vereadora paulistana Soninha Francine à Presidência em 2014. Freire descartou a hipótese.

 

São Paulo. Ainda segundo o presidente do partido, o apoio à candidatura à reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo já está definido. "O PPS trabalha pela unidade do PSB com o PSDB em São Paulo", disse Roberto Freire. Integrante da Rede, movimento informal da ex-ministra Marina Silva que opera dentro do PSB, o vereador paulistano Ricardo Young defende que o PPS e o PSB lancem juntos uma candidatura própria em São Paulo.

 

Estadão

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Felipe Leitão entra na briga para ocupar vaga que era de Genival na Mesa da ALPB

O deputado estadual Felipe Leitão (Avante) entrou na briga para ocupar a vaga na Mesa Diretora que era do deputado estadual Genival Matias (Avante), que morreu no mês passado, após…

“Sexta a gente escolhe o nome e anuncia. De sexta não passa”, avisa Romero sobre sucessão em Campina Grande

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, garante que ainda não escolheu o nome que irá apoiar na disputa pela sua sucessão na Prefeitura de Campina Grande. Em entrevista concedida…