A 2ª turma do STF (Supremo Tribunal Federal) adiou hoje o julgamento de um pedido de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para anular a condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP) por suposta parcialidade do ex-juiz federal e atual ministro Sergio Moro (Justiça) no julgamento do processo.

Durante a sessão, o ministro Gilmar Mendes chegou a sugerir que fosse concedida uma liminar e que Lula fosse solto provisoriamente até que o caso fosse finalmente julgado. Porém, por 3 votos a 2, a sugestão do ministro foi rejeitada. Votou com ele apenas Ricardo Lewandowski. Votaram contra a liminar Edson Fachin (relator), Celso de Mello e Cármen Lúcia (presidente da turma).

Este pedido de habeas corpus foi apresentado pela defesa em novembro do ano passado, e os ministros Edson Fachin e Cármen Lúcia já votaram contra o cancelamento da condenação. No entanto, Gilmar Mendes pediu vistas do caso. O processo, então, foi recolocado hoje na pauta. Além do voto de Gilmar, faltavam os de Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

Lula está preso desde abril do ano passado. Ele foi condenado por Moro em julho de 2017 no caso do tríplex. Em janeiro de 2018, a sentença foi mantida na segunda instância, pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Já no último mês de abril, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu manter a condenação, mas reduziu a pena para 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

 

Uol

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“O que eu pretendo é ser expulso” dispara Moacir sobre imbróglio no PSL

Não é de hoje que o deputado estadual Moacir Rodrigues (PSL) vem vivendo um imbróglio dentro da sigla na Paraíba. A celeuma entre ele e o presidente do partido na…

Nilda Gondim se reúne com secretário da Saúde e defende apoio financeiro ao São Vicente de Paulo

Em reunião ocorrida na manhã desta quarta-feira (16) na sede da Secretaria de Estado da Saúde, em João Pessoa/PB, a suplente de senadora Nilda Gondim fez um apelo ao secretário…