A soltura do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) não representou o fim do imbróglio que envolve delações, acusações e defesas no âmbito da Operação Calvário.

Mais um capítulo se instaurou na noite dessa segunda-feira (23), quando a Procuradoria Geral da República (PGR) ingressou com um Agravo junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a decisão tomada em regime de plantão nos autos do Habeas Corpus nº 554.349-PB., pelo ministro Napoleão Nunes
Maia Filho, que deu a liberdade ao ex-governador.

O objetivo do Ministério Público Federal é a suspensão da liminar que liberou Ricardo da prisão.

A justificativa é de que é “imperioso se reconhecer que a liberdade do ex-governador concedida não apenas vulnera radicalmente a coerência das decisões do Superior Tribunal de Justiça, vendo vícios da decisão de custódia onde a Corte não os enxergou”.

Também foi destacado que a liberdade de RC enfraqueceria a eficácia do desbaratamento da organização criminosa, desarticulada na Operação Calvário.

O Ministério Público ainda argumentou que tanto Coriolano, que permanece preso, quanto Ricardo possuem “igual poderio de intimidação e domínio sobre expedientes profissionais contratados para gestão de inteligência e contrainteligência da organização criminosa”.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Para Efraim Filho impasse sobre o BPC está resolvido

O deputado Efraim Filho (DEM/PB) destacou pontos positivos sobre aprovação, na última quinta-feira (26), do um auxílio mensal de R$ 600 a trabalhadores informais por três meses em razão da…

Juíza determina que verba de campanha eleitoral vá para combate ao coronavírus

A juíza Frana Elizabeth Mendes, da 26ª Vara Federal do Rio, concedeu liminar que destina para o combate à epidemia do novo coronavírus os cerca de R$ 2 bilhões do…