Por pbagora.com.br

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira (3), na Argentina, que a proposta de receber no Brasil a iraniana condenada à morte por apedrejamento foi um pedido de caráter humanitário e não político. “Eu não fiz um pedido de asilo. Eu fiz um pedido mais humanitário do que uma coisa política”, disse o presidente.

O apelo de Lula pela vida de Sakineh Mohammadi Ashtiani, de 43 anos, feito na última sexta-feira (31), durante comício no Paraná, foi visto como uma interferência pelos iranianos. Sakineh foi condenada à morte acusada de adultério.

O ministro de Relações Exteriores do país islâmico, Ramin Mehmanparast, sinalizou nesta terça que deve rejeitar a proposta do Brasil e classificou Lula de “emotivo”. Ele afirmou ainda que o presidente brasileiro não deve ter recebido informações suficientes a respeito do caso de Sakineh.

"Pelo que soube, ou ela ia morrer por apedrejamento ou por enforcamento e nenhuma dessas mortes é humanamente aceitável. Obviamente que se houver a disposição do Irã em conversar sobre esse assunto, nós teremos imenso prazer de conversar e, se for o caso, essa mulher poderia ir ao Brasil".

No entanto, Lula destacou que é preciso respeitar a soberania e as leis de cada país. “Sobre a questão de direitos humanos no Irã, eu sei que cada país tem suas leis, sua constituição, sua religião. E, gostando ou não, temos que respeitar o procedimento de cada país”, afirmou.

G1

 

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Filho de Bolsonaro posta foto com arma de fogo no Planalto

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) postou nas redes sociais nesta quinta-feira (03/11), uma foto ao lado do pai, o presidente Jair Bolsonaro e dos outros três irmãos no gabinete presidencial…

Cícero nega troca do PP pelo PSB: “A notícia não procede, jamais cogitei”

O prefeito eleito de João Pessoa, Cícero Lucena (PP), emitiu nota no início da tarde desta quinta-feira (03) para desmentir a informação sobre uma movimentação de bastidores dando conta de…