Por pbagora.com.br

 Em entrevista ao Assembleia Notícia, primeira edição, desta terça-feira (07), o deputado estadual Anísio Maia (PT) reagiu à nota de repúdio aprovada ontem pelos professores da 1ª Regional de Ensino ligadas ao Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Estado da Paraíba (Sintep-PB).

No documento, os docentes se posicionam contra o pedido feito pelo parlamentar para que a categoria tivesse paciência em relação às limitações enfrentadas tanto pela prefeitura de João Pessoa quanto pelo Governo do Estado em meio à crise econômica.

Anísio disse que sua declaração pedindo paciência ao magistério não era dirigida aos profissionais da rede estadual.

"Eu realmente pedi paciência aos professores que estão em greve, mas meu apelo foi aos docentes da rede municipal de ensino de João Pessoa porque entendo que eles tiveram um bom tratamento por parte da prefeitura nos dois últimos anos. Os salários estão entre os melhores do Nordeste. Mas, vivemos um cenário de crise e os 3% oferecidos pelo prefeito representam o possível neste momento. Em relação ao Estado, a situação é diferente. Entendo que os professores estão num patamar pior. Eu não pedi paciência a eles. Um site é que distorceu o que eu disse e eu acabei pagando o pato sem dever", disse.

Anísio acrescentou que deverá se reunir com representantes dos professores estaduais hoje à tarde e só depois da conversa é que vai se posicionar em relação ao movimento paredista da Educação no Estado. O magistério estadual completará amanhã uma semana de greve.

 

Confira a íntegra da nota:

 

NOTA DE REPÚDIO

Nós, trabalhadores e trabalhadoras da educação estadual da Paraíba, organizados na 1ª região de ensino, vimos REPUDIAR as declarações do deputado estadual Anísio Maia (PT) que, na última sexta-feira, 03 de abril do corrente ano pediu compreensão aos professores do Estado e do município de João Pessoa por conta da greve que estas categorias ora realizam porque o ano que os governos enfrentam é de “vacas magras”, segundo o parlamentar.

 

O “nobre” deputado esquece que ele teve um reajuste de 25% este ano, elevando seu salário para R$ 25 mil/mês, enquanto nossa categoria teve um reajuste de 4,5%.

 

Assim, é muito fácil para Anísio Maia e os demais deputados falarem em época de “vacas magras” quando se beneficiam do dinheiro público a despeito das demais categorias que, com o suor de seu trabalho, produzem a riqueza deste Estado. Queremos, portanto, que esta Assembleia Regional aprove um voto de REPÚDIO a esta declaração acintosa do deputado à luta de nossa categoria!

João Pessoa, 06 de abril de 2015



PB Agora

Notícias relacionadas

Mesmo sob novo comando, CMCG é criticada por ‘dormir nas suas atribuições’

A mudança de comando na presidência da Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG) em nada alterou o andamento do trabalho legislativo. Pelo menos é essa a percepção do vereador Olímpio Oliveira…

Ao lado de Aguinaldo, prefeito pede a ministro recursos para Saúde de São José de Espinharas

Neste sábado (17) o Prefeito de São José de Espinharas, Netto Gomes (Progressistas), participou juntamente com o deputado federal e líder da Maioria no Congresso, Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) da visita…