A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de recusar o pedido de criação da Rede Sustentabilidade – por falta de 50 mil assinaturas de eleitores apoiando o surgimento do 33º partido do país – está levando outras legendas além do PPS e do PEN a entrar na briga para ter a ex-senadora Marina Silva como sua candidata na corrida presidencial de 2014. Conforme apurou o iG , o mais novo partido na disputa por Marina é o PDT.

O presidente da sigla, Carlos Lupi, teria autorizado pedetistas ligados à ex-senadora no Distrito Federal a conversar com ela sobre uma possível candidatura sua à Presidência da República pelo PDT.

Em troca, Lupi estaria disposto a entregar o Ministério do Trabalho ocupado como parte do apoio dado pela legenda ao governo da presidente Dilma Rousseff, uma fatia do controle do PDT exercido por ele e apoio de infraestrutura de campanha, incluindo tempo de televisão. A proposta reflete o despejo do Ministério do Trabalho visto como iminente após denúncias de um esquema de corrupção deflagrado pela Operação Miqueias da Polícia Federal, envolvendo a cúpula da pasta ocupada pelo PDT desde o governo do ex-presidente Lula.

PPS é o preferido

Mas integrantes da cúpula da Rede indicam que Marina flerta com mais vontade com a proposta do PPS. O partido liderado pelo deputado Roberto Freire (PPS-SP) teria oferecido uma "carta de alforria", como classifica um dos interlocutores de Marina, que seria o compromisso para não buscar na Justiça o mandato de parlamentares do grupo da ex-senadora eleitos em 2014. O mesmo valeria para Marina em caso de vitória contra Dilma.

Articulador da Rede: Walter Feldman entrega pedido de desfiliação do PSDB

A Rede deve, contudo, buscar a neutralidade com independência, segurando o processo de criação da Rede no TSE. O novo partido pode ser concluído depois das eleições de 2014 para que Marina migre para ele sem correr o risco de enfrentar um processo de infidelidade partidária caso abandone o PPS com um mandato em mãos – a lei permite mudar para novas legendas sem riscos jurídicos. A Rede atuaria informalmente nas eleições.

Marina entrou a madrugada desta sexta-feira (4) em intensas negociações com seus pares. A decisão será apresentada ainda hoje, a tempo da pré-candidata estar habilitada para concorrer – a legislação eleitoral estabelece o dia 5 de outubro, exatamente um ano antes das eleições, como limite para filiações de potenciais candidatos.

PEN mudaria de nome

Outra proposta apresentada à Marina foi a Partido Ecológico Nacional (PEN), que propõe ceder a presidência da legenda para a ex-senadora e assumir o nome da Rede Sustentabilidade. “Se a Marina vir, podemos até mudar o nome do PEN automaticamente”, afirma o presidente Adilson Batista.

A oferta deve ser recusada por dois motivos: o PEN tem apenas cerca de 30 segundos de tempo de televisão para a campanha e está em franco processo acelerado de encolhimento após a migração de dois dos seus três deputados federais para o Solidariedade , sigla criada na semana passada por Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical.

Batista argumenta haver afinidade ideológica entre PEN e Rede, o que facilitaria a fusão. “Somos o partido da sustentabilidade e nossa ideologia é a mesma”, afirma o líder político, atualmente estudante de gestão ambiental – segundo ele, para “entender melhor de sustentabilidade”.

Ig

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cícero Lucena troca PSDB de Cássio por PP de Aguinaldo Ribeiro

Uma das novidades no último dia para filiação partidária, neste sábado (04), foi a filiação do ex-senador Cícero Lucena aos quadros do Progressistas na Paraíba. O caboclinho, como é conhecido,…

Vereador João Corujinha se filia ao Progressistas

O presidente da Câmara Municipal de João Pessoa, João Corujinha, que havia deixado o comando do DC na  Paraíba, assinou neste sábado (4), sua ficha de filiação no Progressistas. Corujinha…