A Paraíba o tempo todo  |

“Partidarização da segurança nas eleições fica para medíocres”, diz RC

“A partidarização da segurança nas eleições fica para os medíocres”, diz RC
CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

 O governador Ricardo Coutinho, do PSB, soltou o verbo durante entrevista à imprensa, na manhã desta sexta-feira (26) para rechaçar o que classificou de mediocridade de alguns setores que tentam partidarizar a segurança pública por parte de alguns adversários que combatem as ações do Governo do Estado.
Coutinho ainda lamentou a parcialidade de alguns meios de comunicação, que expõem nas primeiras páginas dos jornais os casos de violência, mas não dão a mesma notoriedade às ações exitosas das políticas do Estado.

“Todo mundo sabe que aqui os meios de comunicação a maioria tem seu lado . Eu não me miro em primeira pagina de jornal, eu me miro para colocar o estado para combater e para avançar independentemente de eleição. A partidarização da segurança nas eleições fica para os medíocres que aqui na Paraíba me combatem. E podem continuar a combater. Pelo trabalho vamos continuar a reduzir os indicadores”, disparou.

Ricardo ainda fez uma remissão ao governo Cássio Cunha Lima e lembrou que foi na gestão do tucano que os índices de violência aumentaram, mas, de acordo com ele, como a Secretaria de Comunicação à época abafava, os fatos não chegavam ao conhecimento da população.

“Aquilo que aconteceu na Paraíba não vai mais acontecer. Aquilo que aconteceu em 2008, no governo Cássio, não vai mais acontecer. O numero de homicídios cresceu em três anos seguidos naquela época. Se a gente crescesse isso hoje era um escândalo, iam chamar a ONU para intervir. Hoje estamos reduzindo a cada ano. No governo Cássio o índice de homicídio pulou pra 35% . Se fazia segurança através da Secom. A Secom agia,ninguém dava e ninguém sabia de nada, e eu prefiro que todo mundo saiba para a sociedade encarar a realidade”, ressaltou.

Sobre o aumento nos números de assaltos a bancos, Coutinho responsabilizou a alta no desemprego, mas ressaltou que a polícia continua agindo.

“Vejam que o número de assaltos a ônibus caiu, o número de homicídios de roubos a motos e carros caíram também, mas o número de assalto a estabelecimentos comerciais aumentou nesse semestre, mas isso não é culpa de Ricardo Coutinho, é culpa do desemprego, as estatísticas mostram isso, e eu não sou o culpado pelo desemprego, eu não sou tão importante assim. A realidade nos outros estados é muito pior que na Paraíba. Efetivamente para mim o tema de segurança importa. Tenho a responsabilidade de tratar com dados. Os outros não tiveram capacidade de comprar sequer viaturas e armas. Para se ter segurança é preciso investir e ninguém pode dizer que este governo não investiu. Para desespero dos outros, eu sou o governador que mais contratou policiais civis e agentes penitenciários. Ao invés de ajudarem, eles querem unicamente semear o pânico”, finalizou.

As declarações do governador foram dadas durante solenidade de entrega do Serviço de Diagnóstico Mamário da Paraíba no Centro Especializado de Diagnóstico do Câncer (CEDC). A ação faz parte da programação elaborada pelo Governo do Estado para comemorar os 431 anos de João Pessoa.
 



PB Agora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe