O fato de o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) ter rompido politicamente com o governador João Azevêdo (sem partido) não implicará sua adesão ao bloco oposicionista na Assembleia Legislativa da Paraíba, mas não por falta de vontade, e sim por rejeição dos atuais integrantes que não devem aceitar esse ‘novo quadro’ em seu grupo. Pelo menos é essa a análise da deputada estadual Camila Toscano, do PSDB. Em entrevista nesta quarta-feira (04) à reportagem do PB Agora, a tucana deixou claro que Ricardo não é bem vindo ao grupo.

“Eu não tenho nada que me misturar. O meu posicionamento permanece o mesmo, acredito que o da maioria da nossa bancada, porque para nós nada muda. É uma briga para ver quem manda mais. Ricardo não é bem-vindo na oposição. Água e óleo não se misturam, ele não mudou nada para mim, o pensamento que eu tenho dele, o que está demonstrado através da Calvário não vai ser apagado pelo fato de ele ter brigado com João, pelo fato de ele querer ser sempre o que manda”, disse.

Para Camila, Ricardo tinha a certeza de que teria uma espécie de terceiro mandato consecutivo com a eleição de João Azevêdo e agora, como percebeu que não teria como manobrá-lo, rompeu. “Ele elegeu alguém achando que ia ser sua marionete, não está conseguindo manobrar e acaba rompendo, par amim nada muda. Acho mais fácil ter dois tipos de oposição na Assembleia porque eu, pelo menos, não me junto com esse grupo”, arrematou.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Pedro responsabiliza grupo do PSB por baixas no PSDB em CG

Após ver o PSDB na Paraíba ficar fragilizado sob o seu comando, perdendo inclusive todos os seus representantes na Câmara Municipal de Campina Grande, principal base política da família, o…

Ruy Carneiro defende uso do fundo eleitoral no combate ao coronavírus

Depois de votar contra a criação do Fundo Eleitoral e Partidário, o deputado federal paraibano Ruy Carneiro defendeu nesta quinta-feira (9) a decisão da Justiça Federal de bloquear a liberação…