A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: o extremismo político de Cabo Gilberto atacando Adriano Galdino é atitude amplamente reprovável

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Os ataques desferidos pelo deputado estadual Cabo Gilberto (PSL) contra o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino (PSB), em recente entrevista a um programa de rádio, coloca o parlamentar em situação pouco confortável na Casa de Epitácio Pessoa. E tal afirmação está pautada na boa convivência e respeito mútuo envolvendo os pares do Poder Legislativo paraibano.

É ilógico um parlamentar escolhido pela sociedade, por meio do voto, macular a honra de um colega, em atitude de puro descontrole emocional. Sim, o não concordar é um dos pilares da democracia. Contudo, extrapolar tal direito causa tensão política desnecessária em um período que o extremismo ideológico domina o país.

O discurso agressivo de Cabo Gilberto é o quadro borrado e pintado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) que busca, por meios questionáveis, dividir a população como se fosse ela mero fantoche, em uma luta trágica, não épica, do “bem contra o mal”.

A estratégia da polarização das ideias, para os extremistas, é fundamental na busca da sua própria sobrevivência política. E dessa forma o deputado, bem como o inquilino do Palácio do Planalto, miram o desequilíbrio social a favor das suas próprias causas.

E nesse compasso sem réguas ou regras pergunto: como pode um representante do povo chamar seu colega de “ditador, covarde, mentiroso e autoritário” em uma entrevista? É claro que nas discussões em plenário, ou nas sessões remotas, o embate de ideias é fundamental. Faz parte do processo democrático, sendo importante observar que em tais ocasiões nem sempre o clima amistoso ou de boa vizinhança permanece. Mas, passado aquele momento de “furor, a descortesia ou ódio não são justificáveis.

São perfeitamente naturais discussões acaloradas envolvendo membros do Legislativo, mas sempre evitando a violência em todos os seus aspectos, afinal, faz-se necessário distinguir o que é adversário e inimigo. E o mesmo vale para as relações pessoais, cujo respeito é a palavra chave que deve ser lapidada a fim de manter o equilíbrio da sociedade e das instituições em perfeita harmonia.

Por fim, o extremismo, seja na seara política ou noutros campos da própria vida, merece ser rechaçado e, em casos severos, posto o infrator ou infratora na balança da Justiça, no intuito que a mesma defina punições. Anarquia, totalitarismo ou radicalismo merecem desaprovação imediata. A barbárie ou selvageria não são opções, seja em que circunstâncias forem.

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      9
      Compartilhe