Na caverna destruída, Aladdin esfrega a lâmpada que liberta um gênio, que revela o poder de conceder três desejos quaisquer; exceto matar alguém, fazer alguém se apaixonar ou trazer mortos de volta à vida. O menino, que é lenda, óbvio, pensa e chega a uma conclusão razoável: um tapete mágico, matar seus inimigos e a tão sonhada caverna das maravilhas. Ele quer tudo, inclusive trazer os mortos, pois ama seus pais.

E aqui encerro meu comentário. Leitores interessados busquem a obra ou vejam o filme. Vale à pena! Mas o meu objetivo é o anseio e troca de algumas ideias, estando a certeza absoluta no Mundo das Ideias, e Platão pode afirmar o que digo. Mas agora avancemos, sem mais delongas.

A meu ver, é claro, diz respeito a um suposto erro de cálculo do comunicador Nilvan Ferreira (MDB). Pessoa muito bem relacionada na sociedade pessoense. Alguém que em frente às câmeras é imbatível. Líder de audiência no seu horário. Mas para a minha pessoa executou dois passos perigosos.

O primeiro: recusar o convite formulado pelo deputado federal Jullian Lemos (PSL), que o lançaria como candidato dotado de extrema infraestrutura partidária para a prefeitura da Capital, além de um fundo partidário descomunal de “reserva” eleitoral em função da sua excepcional ( bancada em termos de número) no Congresso.

E se houve diáspora entre o PSL e o presidente Jair Messias Bolsonaro, foi o presidente da República que não conseguiu emplacar, se quer, seu partido no TSE. Prova da sua inaptidão e seu desejo político e partidário no mundo de Alice e seu espelho.

Mas vamos dar um pulo de Brasília e voltar a João Pessoa. Nilvan (filiado) às hostes do MDB, partido comandado com mão de ferro pelo senador José Maranhão, não se arrisca. Nem mesmo ele, prova disso que nas eleições de 2018, o próprio emedebista saiu na ponta, mas perdeu fôlego, e ficou em terceiro lugar, sendo batido por João Azevêdo (PSB) (no primeiro turno) e Lucélio Cartaxo (PV) em segundo. Não em turno, mas em votos.

E nesse retrospecto, Nilvan Ferreira pode ter dado um “tiro no pé”, já que o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, falou sobre o desejo da Executiva Nacional do seu partido a vontade da legenda apresentar candidaturas em todas as capitais brasileiras. Caso esse desejo se torne realidade o escolhido poderá ser o deputado federal Jullian Lemos. O que é óbvio, dada a votação significativa do parlamentar na Capital.

É bom lembrar que Jullian Lemos sondou Nilvan Freire para uma postulação a prefeito da Capital na sigla do PSL. O comunicador não desejou.

Para arremate: Lemos, perdendo ou não, manterá seu mandato. Não se sabe o mesmo de Nilvan. Voltará para o Sistema Correio ou outra emissora? Certamente que sim, pois sua qualidade no “ramo” da comunicação é inconteste. Prova disso são seus números nas pesquisas de opinião pública.

Mas pesquisa de opinião para TV e rádio são coisas diferentes. As relativas às políticas, partidos e postulações são outras. Comunicação é diferente em tudo, e igual a todos. Todos sabem! Bem, agora postas às candidaturas, é esperar, pois tudo pode acontecer em um país numa completa ebulição política.

Imaginem na Paraíba!

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeitura de CG recebe autorização legislativa para contratação de até 300 Jovens Aprendizes

A Lei Municipal nº 7.472, publicada no Semanário Oficial de 22 de maio, originada de um Projeto de Lei de autoria do vereador Olimpio Oliveira, autoriza o prefeito Romero Rodrigues…

Em delação, Cabral aponta ‘mesada’ para Vital do Rêgo e mais dois ministros do TCU

O site da Crusué detalhou nesta quarta-feira (15) um trecho da delação de Sérgio Cabral que apontou o pagamento de uma ‘mesada’ de R$ 100 mil para o paraibano Vital…