Por pbagora.com.br

“Triunfam aqueles que sabem quando lutar e quando esperar”.  A frase não está inserida nas escritas da “modernidade”.  Ao contrário, ela foi “cunhada” há 2,5 mil anos, pelo general, estrategista de guerra e filósofo chinês, Sun Tzu, a quem é atribuída a obra “A Arte da Guerra”. Independente do conselho longevo, ele nunca saiu do palco político e diplomático, e o governador João Azevêdo parece saber bem sobre autor e título.

 

E nesse rio caudal e efervescente da política paraibana, Azevêdo vem implementando nos seus primeiros meses de governo uma postura pacificadora, embora não subserviente, especialmente quando o assunto é Assembleia Legislativa, sua bancada de sustentação e o que hoje é chamado “bloquinho”. Um grupo de nove deputados que bradam a bandeira da “independência”, especialmente quando o assunto é recheado por uma “bomba de efeito retardado” chamada Orçamento Impositivo.

 

O assunto ganhou contornos nacionais e vem sendo discutido em todos os estados, justamente pelo fato da Câmara dos Deputados ter aprovado a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 2/2015, que torna obrigatória a execução de emendas parlamentares de bancadas e investimentos em obras. O Orçamento Impositivo, como ficou conhecida a medida.

 

 

Na Paraíba, foi definido pelo próprio governador que o momento atual não mostra eventuais saídas econômicas para contemplar os deputados e suas respectivas emendas. Em rápida equação, disse ele que o estado depende de transferências de recursos federais, o que inviabiliza qualquer movimentação financeira não prevista para este ano. Em linhas gerais, não há condições para o Orçamento Impositivo no Estado. Pelo menos em curto prazo.

Talvez prevendo vigorosos embates políticos pela declaração, João Azevêdo, seguindo à risca Sun Tzu, vem equilibrando cenários de luta e espera. O governador sabe o solo que pisa, e vem cativando prefeitos e vereadores por toda a Paraíba.  Em três meses de governo já investiu mais de meio bilhão nos setores produtivos, segurança e educação.

 

Em tempo, também convocou para seu time o experiente João Gonçalves. A articulação política está sob seus cuidados. Com livre trânsito na Assembleia Legislativa, e operoso no quesito buscar e oferecer bons resultados, está o deputado licenciado percorrendo a Paraíba no chamado trabalho de “formiguinha”.

O governador precisa da força dos municípios. Os que estão na Casa de Epitácio Pessoa também. Com isso, a hora talvez seja propícia para João Azevêdo impor, de vez, sua marca no que diz respeito à gestão, aplacar o discurso dos insatisfeitos e garantir uma maior pavimentação política por toda a Paraíba. Agora é observar o que virá.

 

Eliabe Castor

 

PB Agora

 

 

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Notícias relacionadas

João Azevêdo se reúne com bancada federal e assegura investimentos para obras na Paraíba

O governador João Azevêdo se reuniu, nesta quarta-feira (24), em Brasília, com a bancada federal paraibana, ocasião em que apresentou as demandas do estado para serem incluídas no orçamento geral…

Wilson Santiago e Wilson Filho se unem para garantir recursos para HU do Sertão

O deputado estadual Wilson Filho (PTB) está cumprindo agenda em Brasília-DF onde foi recebido pelo deputado federal Wilson Santiago (PTB), nesta terça-feira (23). Os dois participaram de uma audiência com…