Ao participar de eventos inerentes à sua administração, no Brejo da Paraíba, nesta sexta-feira (13/12) o governador João Azevedo deu o tom em que pretende “dialogar” com as oposições, quando o seu governo for atacado por elas.

Ao discursar na cidade de Guarabira, berço político do líder da oposição na Assembleia Legislativa do Estado, Raniery Paulino, Azevêdo alfinetou: “meia dúzia de malandros tem a intenção de se candidatar nas eleições de 2020 e fica fazendo jogo político”.

João foi duro. Pegou pesado. O governador não mencionou nomes, mas precisava?! Ora, ele estava discursando na terra do líder da oposição, e ainda por cima disse que ali tinha um parlamentar que é pré-candidato a prefeito da cidade etc e tal. Ora, só podia ser com Raniery.

O disparo do governador tem um endereço certo, tendo ele discursado naquele reduto eleitoral: Raniery Paulino. Mas, indiretamente, o discurso também se configura num recado claro às oposições, de como será a sua reação toda vez que a sua gestão for atacada. Um tipo bateu-levou. Afinal, ele se referiu a uma “meia dúzia”. E, portanto, não existe meia dúzia de apenas um…
Dia de sorte

O Brejo – especialmente as cidades de Pilões e Serraria – era só alegria, na manhã desta sexta-feira 13.

Em Pilões, o governador inaugurou o trecho de asfalto da rodovia que corta a cidade e, de quebra, ainda assinou ordem de serviço para a pavimentação asfáltica da estrada que vai dalí até o Centro do Universo, Serraria, a minha cidade natal.
Fechando o firo

A pergunta que os serrarienses agora fazem é: quando o governador João Azevedo autorizará as obras de pavimentação asfáltica do trecho que liga as cidades de Serraria a Arara. Aí, sim, fecharia o firo.

É fogo

Em entrevista à Rádio Arapuan, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, advertiu que não aceita “fogo amigo de forma alguma. Isso é uma coisa que eu tenho dito. Eu trabalho dialogando muito, tenho conversado com secretários, a gente trabalha com um modelo de gestão que tem muita interface”.

Agora é tarde, e fim de governo ninguém leva a sério. Cartaxo deveria ter evitado o fogo amigo desde o começo de sua gestão.

Em torno, e bem dentro da sua gestão, sempre houve verdadeiras caieiras fumegantes.

Aliás, não fosse o fogo amigo, talvez o projeto inicial de Cartaxo, de concorrer ao Governo do Estado, tivesse prosperado. Pelo menos permitido um cenário em que ele pudesse concorrer sem levar rasteiras…

 

Wellington Farias
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: Paraíba, um estado de milícias, corrupção e moralidade jogada no lixo

A retidão de um ser humano é medida por seus atos pautados na ética e nos princípios morais que nos garantem o mínimo de civilidade e convivência mútua. E aqui…

Eduardo defende ações permanentes de educação no trânsito

Por dia, 18 vítimas de acidentes de trânsito ficam inválidas e Eduardo defende ações permanentes de educação Os acidentes de trânsito no período de janeiro a outubro de 2019 ocasionaram…