A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: está chegando a hora de João Azevêdo encarar sua “Escolha de Sofia”

Eu confesso! Não desejaria estar, de forma política, no desafio que se encontra o governador João Azevêdo (Cidadania). Está ele em um cenário beligerante. Diria algo histórico por dois motivos. A polarização quase irracional da política no Brasil, e uma pandemia mundial sem precedentes na história moderna da humanidade.

Esqueça a gripe espanhola e vamos aos fatos, mesmo que de forma “en passant”. O chefe do Executivo paraibano vive um cenário atípico. Luta, ele, para conter um vírus letal. O da Covid-19. Sim, ele tem toda uma equipe técnica para buscar mecanismos a fim de minorar as mortes – que já decaem – em todo o mundo graças aos movimentos de vacinação etc. Um alívio para toda sociedade.

Esse é um ponto que não pode ser esquecido. Nenhum governante – mesmo chefes de Estado de grandes potências mundiais – não estavam preparados. E em solo brasileiro, buscou Azevêdo – seja no Consócio Nordeste – ou em decisões próprias, minorar os efeitos da pandemia. E conseguiu! Ele, prefeitos, o Judiciário e Legislativo de forma geral implementando políticas sanitárias assertivas.

Agora vem outro ponto que, presumo, às vezes deve tirar o sono de Azevêdo. A tal política partidária. Não é pouco! O governador está em escolhas, diria, sensíveis. E assim ponho quem figurará na sua chapa majoritária. E não se faz necessário muita explicação.

Quem será seu vice, ou sua vice no pleito que se avizinha? O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB), que irá para o Avante tão logo a “janela partidária” se abra em 2022, ou a secretária de Estado da Articulação Municipal, Ana Cláudia Vital do Rêgo, esposa do senador Veneziano Vital do Rêgo, presidente do MDB na Paraíba?

Ainda há outro alvoroço. Quem João Azevêdo apoiará para o Senado. O deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP) ou seu colega de Casa, Efraim Filho (Democratas)?

E vale outro questionamento: como ficará o palanque do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Paraíba? Pergunto, pois os dois parlamentares citados figuram o chamado “Centrão”, que ainda dá sustentação ao atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) que está em queda livre no que diz respeito à sua popularidade eleitoral e, para completar, é adversário de Azevêdo.

Pessoalmente, digo que o governador terá que dialogar, e muito, com todas as forças políticas que garantem sua base de sustentação, pois o aliado hoje, pode ser feroz adversário amanhã.

João Azevêdo vive o que costumo colocar como uma metáfora. Está, ele, na verdadeira “Escolha de Sofia”. E o que é a tal? Trata-se de um filme e livro.

Ambos falam do dilema de “Sofia”, uma mãe polonesa, filha de pai anti-semita, presa num campo de concentração durante a Segunda Guerra e que é forçada por um soldado nazista a escolher um de seus dois filhos para ser morto. Se ela se recusasse a escolher um, ambos seriam mortos.

Evidente que cito a “tal escolha” como forma, já disse, em sentido metafórico, mas sempre há um preço – na vida de qualquer ser humano – por suas escolhas. E na política ela é transferida em escala bem maior.

Eliabe Castor
PB Agora

PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe