A Paraíba o tempo todo  |

Opinião: Cícero, Bruno, João e o povo devem pular fogueira de São João de forma harmoniosa para amenizar efeitos da covid

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

É hora de um estudo coletivo; uma grande mobilização por parte dos gestores paraibanos, a fim de buscar mecanismos comuns que possam resguardar a vida humana, livre das querelas partidárias ou interpretações próprias, pois o viver é o maior patrimônio da humanidade.

Dar, também, certo fôlego econômico à sociedade, principalmente aos micro e pequenos empresários, pensando, aí, nos informais e em toda cadeia produtiva a ser julgada como essencial enquanto a pandemia persistir é fundamental.

Falo isso com a proximidade dos novos decretos a serem vigorados no período dos festejos juninos – falo de festejos – mas muito pouco se tem para festejar devido à pandemia que põe de joelhos não só a Paraíba, mas o Brasil e boa parte do mundo.

Agora retornando às demandas e precauções a serem tomadas pelos gestores paraibanos, em especial os prefeitos de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas), Campina Grande, Bruno Cunha Lima (Solidariedade), e o governador João Azevêdo (Cidadania), faz-se necessário um mínimo de consenso de todos.

Sim! Consenso, a fim de evitar batalhas judiciais que, além de dispendiosas, coloquem mais insegurança na população, que já vive cercada pelo medo, desemprego e morte.

A participação do povo é fundamental

Mas é bom – melhor dizendo, é ótimo – a população cooperar com o Estado de forma geral, pois decreto algum vai minorar o avanço do vírus se medidas simples como o uso de máscaras e distanciamento social não sejam cumpridos. Ações básicas e racionais valem muito.

Não se pode pensar, no atual estágio pandêmico, que medidas de controle ao coronavírus sejam ignoradas pelo povo. O povo que morre todos os dias em decorrência, muitas vezes, da sua própria teimosia.

Mesmo os que já tomaram a vacina devem manter hábitos sanitários lógicos, pois a Covid-19 já demonstrou não ser uma “pequena gripe” e novas variantes do vírus surgem de forma alarmante.

E sim, não é preciso ser um renomado cientista ou ter uma mente prodigiosa para entender que a política partidária – como está sendo conduzida pelo governo federal – é danosa, quase criminosa, interferindo de forma direta nas ações de combate à pandemia.

Aqui o apelo é para que os de bom senso possam tomar decisões assertivas. Entendo que há um profundo fosso separando os que comungam com o negacionismo cuspido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e as alas mais progressistas, inclusive a própria direita, sobre como se comportar em período tão obscuro da história humana.

Mas uma reflexão íntima pode ajudar, e muito, a própria humanidade a sair dessa vala que cheira a cadáveres. Respirar, novamente, sonhos e esperanças futuras. Retornar ao que há de mais próximo do normal, caso contrário decretos serão inócuos aqui e alhures e a mortandade continuará por um bom tempo.

 

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe