O impasse foi formado. Efetivamente há uma quebra de unidade nas hostes do PSB. Uma formação foi dissolvida, afetando a ordem unida do grupo, não estando em compasso soldados e generais da sigla. E nesse cenário belicoso, teorias da conspiração são postas à opinião pública a cada minuto, cuja explicação para um sem fim de possibilidades está no terreno pantanoso e volátil que se encontra os socialistas paraibanos.

E nessa miscelânea, ou, se preferir, conjunto de ideias antagônicas que beiram o caos, uma figura ilustre observa o desdobramento diário das falas e posturas que cada ator desse folhetim ocupa. Estou a falar do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), que certamente anda a acender velas para “Deus e o diabo na Terra do Sol” e, assim, tentar ser beneficiado caso o PSB se despedace em cacos mil.

E Cartaxo tem razão, pois em suas “terras” não há uma plantação fértil ao ponto de “fazer” seu sucessor. As sementes plantadas por ele não germinaram, estando o Verde na posição de ser infértil politicamente falando. Em sua mente, nas suas esperanças, o rompimento acentuado entre o ex-governador Ricardo Coutinho e seu sucessor, João Azevêdo, daria fôlego para seu projeto de redenção.

No entanto há um óbice que separa Cartaxo da sua “assunção” e glória para o mais completo ostracismo. Sim, existe o estorvo, estando o embaraço na residência do Partido dos Trabalhadores. Isso mesmo: o PT. Motivo? Todos sabem que o PSB e o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva andam de mãos dadas com os socialistas. Coutinho e Azevêdo têm livre trânsito na sigla da estrela vermelha.

E mais: já existem acenos de alguns integrantes do PSB migrarem para o PT, o que colocará Luciano Cartaxo exatamente onde está: na eminência de adentrar no limbo do esquecimento. E aqui vai uma observação: o atual prefeito abandonou o Partido dos Trabalhadores após décadas de militância, justamente quando o barco petista começou a adernar após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e a prisão de Lula.

Em bom português, os petistas ainda não perdoaram Luciano Cartaxo, se é que essa possibilidade pode existir, daí o ainda prefeito de João Pessoa continuar exatamente no mesmo local. Uma ilha distante e inóspita que ele mesmo construiu no meio do Atlântico. E não se pode “navegar” em um oceano a braçadas. Ou se tem um bom veleiro, ou nada tem.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Aguinaldo recebe comitiva de prefeitos e fortalece apoio aos municípios

O deputado federal paraibano Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) recebeu nessa quarta-feira (20) um grupo de prefeitos e lideranças paraibanas, em Brasília. Entre os gestores municipais estavam Roberto Feliciano de Sapé, Nobinho…

Ana participa de reunião com integrantes do MP sobre políticas de resíduos sólidos na PB

Durante audiência que foi realizada nesta quarta-feira (20) e contou com a presença do Ministério Público da Paraíba (MPPB), da Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (Famup) e demais…