A coluna do amigo e colega de longas datas, Marcone Ferreira, jornalista de dotada credibilidade, despertou grande curiosidade não só a minha pessoa, mas em todos aqueles amantes do jornalismo investigativo, nesta quinta-feira (16).

Disse Marcone, ou Cone, como é conhecido em nosso meio profissional, que uma cidade portuária da Paraíba estaria realizando uma licitação. Até aí tudo tranquilo, não fosse o detalhe que o único município do estado a possuir um porto é Cabedelo, situado na região metropolitana de João Pessoa.

Escreveu o colega, de forma segura, no seu blog: “Está em curso numa cidade portuária a licitação para a coleta de lixo, cuja denúncia chegou ao blog com a provável empresa vencedora antes do resultado da licitação para o contrato da mesma.

Segundo informações, se tratar da LimpMax, com atuação em diversas cidades, inclusive fora da Paraíba. A contratação vem a pretexto do atual momento de calamidade pública em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Seria uma contratação do tipo ‘cartas marcadas’ em que a Paraíba já vivenciou esse momento, ocasião em que uma operação da Polícia Federal foi deflagrada com o batismo do processo licitatório.

A LimpMax foi uma das empresas citadas em colaboração premiada que a ex-secretária estadual de Administração, Livânia Farias, celebrou com o Ministério Público no âmbito da Operação Calvário.
Estamos de olho”.

Bem, Marcone Ferreira frisou o ponto primordial do assunto: “Estamos de olho”. Olhos de coruja, que, inclusive, enxergam no escuro”. Agora é esperar e observar os novos desdobramentos que possam vir a público pelo blog do estimado Cone, ou quem sabe no programa radiofônico 360 Graus, cujo articulista político tem cadeira cativa ao lado de ícones do jornalismo regional, a exemplo de Dércio Alcântara, Fábio Augusto e Thaysa Videres.

Vitor Hugo não representa a Paraíba, muito menos Cabedelo, segundo peça publicitária

Uma peça publicitária bem criativa vem circulando nas redes sociais, principalmente nos grupos de Cabedelo. Trata-se de um pequeno filme com o mapa do Brasil. Ao longo do filme (com apenas 18 segundos) surge um ponto de cor vermelha sobre o estado da Paraíba.

Após a aparição do pontinho “rouge”, surgem os nomes do deputado Felipe Leitão, Dr. André, Neno Astriciliano e Morgana Maceno. Após, vem o nome Paraíba. Todos que figuram o vídeo são pré-candidatos a prefeito de Cabedelo. Pelo menos os que já colocaram, de forma efetiva, seus nomes à disposição do povo.

Não se sabe o motivo, mas o nome do radialista Sales Dantas não surgiu. Talvez tenha desistido da peleja ou foi puro esquecimento do autor da peça. O que vale devido “reparo”.

Pelo sim, pelo não, outro contorno da peça, em tom escarlate, vai até o Rio de Janeiro. Terra natal do atual prefeito de Cabedelo, Vitor Hugo Castelliano. E nele aponta a distância dos estados. Em precisão: o alcaide de Cabedelo foi parido, em distância, a 2,5 mil quilômetros da terrinha chamada Paraíba.

Vale a pena ver o filme. E, por fim, exponho a indagação: somos todos Paraibanos? Acho não. Só aqueles que mostraram ser dignos da nossa terra. Não necessariamente viver nela, mas trabalhar por ela. Por seu crescimento social e econômico.

Para finalizar, o vídeo faz a seguinte pergunta: “Quem é forasteiro?”. Fica no ar…

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Eleições 2020: além de Luiz Couto, PT sonda Anísio Maia para liderar chapa em JP

Apesar da pandemia do coronavírus, as articulações em torno das eleições municipais continuam nos bastidores. No partido dos Trabalhadores, o PT, além da sondagem em torno do nome do ex-deputado…

Opinião: Bolsonaro desrespeita a “tradicional família” e choca a Pátria Amada com linguajar de manichula

Quem assistiu ao vídeo sobre a excêntrica reunião ministerial presidida por Jair Bolsonaro ficou estarrecido. Não havia como não ficar indignado e tomado por um sentimento deprimente de vergonha alheia.…