Por Eliabe Castor

A cena apocalíptica é real. Beijos, abraços, apertos de mão; aglomeração de público nas convenções. Passeatas, carreatas e contato físico direto. Debates em emissoras de rádio e TV em pequenos espaços. Todos confinados em ambientes frios devido à climatização do ar para discutir sabe-se lá o quê. Talvez a chamada “boa morte”.

Espirros mil, tosse e a leve impressão que um inimigo comum estará presente desde o registro das candidaturas dos postulantes até o apertar de botão nas urnas eletrônicas. Irresponsabilidade, ganância política e outros expedientes de puro interesse partidário, seja ele coletivo ou individual, estão expostos e nus.

Não, apesar das normativas constitucionais esse deslumbre insano é, na verdade, um atentado biológico contra a própria sociedade. Ao povo brasileiro. Não se pode pensar em eleições municipais para 2020 com um cenário de guerra, cujo inimigo está presente e devidamente armado de forma letal em nanopartículas.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já falou. É contrário à realização das eleições. E nas suas observações, a curva de transmissão do novo coronavírus só deve apresentar queda profunda no Brasil em setembro. E aí, caros leitores, todo o sacrifício que o povo do nosso país, da nossa querida Paraíba, em quarentena social, poderá ser em vão caso o pleito aconteça.

E tal fato não é alarme vindo do meu ser. Longe de buscar semear o pânico, desejo conter lágrimas futuras. Não só eu, mas pessoas de bom senso defendem a causa. O ex-governador da Paraíba, Cícero Lucena, é um deles. Em diapasão quase similar está o presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, desembargador José Ricardo Porto, que já apontou a direção correta, mesmo que de forma ainda branda.

Na sonoridade do discurso vindo do magistrado, é possível admitir que as eleições municipais possam ser adiadas, caso em até um mês antes do pleito a situação não tenha sido contornada.

O ministro Luís Roberto Barroso, que vai comandar o Tribunal Superior Eleitoral nas eleições municipais de 2020, disse que não é hora de discutir o tema agora, embora tenha admitido que o adiamento pode ocorrer, exigindo, para isso, a aprovação de uma emenda constitucional no Congresso.

E nesse imbróglio jurídico, constitucional e político, fato é que indecisões prolongadas agravam ainda mais o clima de incertezas numa nação em estado de quarentena, economia comprometida e “autoridades batendo cabeça”.

Em conta simples, o custo de uma eleição municipal no Brasil está em torno de R$12 bilhões, sendo que 80% desse valor é dinheiro público. Outro dado: R$ 2 bilhões do fundo partidário também devem ser gastos no pleito. Então o que obstaculiza aplicar todos esses recursos na área de saúde, como reforço para combater o novo coronavírus?

Para tanto, basta o bom senso e o verdadeiro compromisso social dos políticos. O primeiro turno de votação para vereadores e prefeitos acontecerá no dia 4 de outubro; o segundo turno, caso haja, para a eleição de prefeitos em municípios com mais de 200 mil eleitores, ocorrerá no dia 25 do mesmo mês.

Note, leitor, que dados do Ministério da Saúde apontam que a curva descendente da enfermidade virá em setembro, restando apenas um mês para o pleito. Daí, repito: a cena apocalíptica é real. E não se pode subestimar um vírus que não vota e, sim, volta e mata.

Para os legalistas, dispositivos existem e que dão guarida ao adiamento das eleições e, quem sabe, a unificação de um pleito para governadores, presidente da República, senadores, deputados, vereadores e prefeitos. O momento, penso eu, é este. Agora!

Para tanto, basta ser votado no Congresso um Projeto de Emenda Constitucional (PEC) e tudo será resolvido. Afinal, pensar em eleições em meio a uma pandemia é loucura. Suicídio provocado pelos que não pensam no bem comum de um país chamado Brasil.

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Notícias relacionadas

PB recebe medicamentos do ‘kit intubação’ doados pelo Governo da Espanha

O Ministério da Saúde começou a distribuição de medicamentos do ‘kit intubação’ doados pelo Governo da Espanha. A Paraíba vai receber 4.785 unidades. Também foram autorizadas instalações de leitos de…

Prefeitura de Campina planeja uma grande recepção para Juliette

O resultado que levou a campinense Juliette Freire a ser a primeira campeã paraibana, em 21 edições, do reality show de maior audiência no país, o Big Brother Brasil (BBB),…