Por pbagora.com.br

Sempre que dialogo com Rachel Sheherazade, inevitavelmente surge um tema recorrente. A disciplina optativa de Teatro, ministrada pelo mestre Everaldo Vasconcelos. Colegas de classe, decidimos nos matricular para cumprir a grade do curso de Jornalismo Impresso. Presumo que esse fato aconteceu em 1994, no falecido Departamento de Comunicação.

Na primeira aula, achávamos que a sala estava repleta de alunos e ficaríamos, apenas, na figuração da peça teatral, que fecharia a disciplina. Engano enorme. Só nos dois nos matriculamos. Pouca idade, lembro que a desenvoltura para se apresentar em público causava calafrios, mas seguimos em frente fazendo exercícios para respiração, dicção, relaxamento corporal e, claro, o estudo das falas.

E no dia da apresentação, na “sala preta” lotada – era uma espécie de local para festas no próprio departamento – resolvi não ir. Deixei Raquel sozinha. No outro dia ela estava furiosa. Everaldo Vasconcelos idem. Pedi perdão aos dois. Inventei uma desculpa (acho que “matei”) algum parente meu, e tudo ficou tranquilo.

E sobre esse episódio, sempre brinco com a colega de universidade e profissão. Quando a encontro digo: “Olha Raquel, tu és o que hoje és graças a mim. Imagine se estivesse aparecido no dia da peça? Poderia tomar gosto pelas artes cênicas e perderíamos uma jornalista acima da média”. Depois sonoras risadas surgem.

Mas a vida é assim. Há tempos não vejo Raquel Sheherazade. Entendo que ela foi bastante hostilizada pelos sensores da ditadura imposta no período que o PT esteve no poder. Foi até afastada do jornal SBT Brasil por alguns comentários infelizes, outros não, mas cutucava as feridas de um Brasil desigual, o que sempre irritou os senhores do poder.

Lançou um livro: “O Brasil Tem Cura (editora Mundo Cristão), publicado em 2015, quando ela tinha liberdade para dizer no SBT que compreendia os linchadores de um adolescente no Rio. A obra encalhou, foi exposto com preço de liquidação pela Amazon e, ainda assim, a venda foi um fiasco.

Raquel não apoiou Bolsonaro, como muitos pensam

Conhecida por seu posicionamento contrário a políticos ditos “de esquerda”, e apoio aos ditos “de direita”, a jornalista Rachel Sheherazade surpreendeu seus seguidores durante a campanha eleitoral para presidente. A âncora do SBT Brasil deixou clara sua posição sobre o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, do então PSL, e engrossou o coro da hashtag #EleNão.

“Sou mulher. Crio dois filhos sozinha. Fui criada por minha mãe e minha avó. Não. Não somos criminosas. Somos HEROÍNAS! #elenão”, escreveu a jornalista em sua conta do Twitter. Esse fato se deu no dia 18 de setembro de 2018, após um comentário desastroso do então candidato a vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão.

Disse ele: “A partir do momento em que a família é dissociada, surgem os problemas sociais. Atacam eminentemente nas áreas carentes, onde não há pai e avô, mas, sim, mãe e avó, por isso é fábrica de elementos desajustados que tendem a ingressar nessas narcoquadrilhas”.

E a perseguição injusta continua contra Raquel

O dono, presidente, deus do Olimpo do sistema de comunicação SBT, Silvio Santos, que nutre verdadeira adoração a Jair Bolsonaro, ao ponto de retirar do ar a edição do SBT Brasil no sábado (23) após receber uma ligação de seu genro, Fábio Faria (PSD), que é casado com Patrícia Abravanel.

Na ligação, Faria disse ao dono do SBT que teria recebido um telefonema do Secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, reclamando da abordagem sobre o vídeo da reunião ministerial em reportagem a edição do telejornal no dia anterior.

Para o Planalto, o SBT Brasil acabou concluindo, em cerca de cinco minutos de reportagem, que Sergio Moro estava certo em sua denúncia de que Bolsonaro teria tentado interferir na Polícia Federal, o que teria deixado o presidente irritado.

Ordens de Silvio: “Fique muda e nada comente, Raquel!”

Rachel Sheherazade desafiou o chefe Silvio Santos ao emitir opinião pela terceira vez em menos de um mês no Jornal do SBT. A jornalista havia sido punida e proibida pelo mandatário da emissora de comentar as notícias no programa.

Na edição dessa quarta-feira (27/05), Rachel criticou o assassinato de George Floyd por um policial dos Estados Unidos. A morte do jovem negro desencadeou diversos protestos contra o racismo. “Julgados e executados pela cor da pele. Lamentável”, desabafou Sheherazade após a exibição da reportagem.

Em outras ocasiões, a apresentadora questionou o caso do menino João Pedro, de 14 anos, que morreu em uma operação policial no Rio de Janeiro. “Foi erro ou crime?”, disse Rachel. E aplaudiu a ministra do STF Carmen Lúcia, após a magistrada falar sobre “igualdade” entre homens e mulheres ao presidente da Casa, Dias Toffoli.

E nesse caldeirão de pura censura, compreendo que muitos não aprovam os comentários e a linha ideológica de Raquel, mas tenho certeza que um “cale-se” ditatorial fere de morte a democracia. E democracia é exatamente isso: o choque de ideias, concordância ou discordância de linhas ideológicas diferentes, pois não fosse assim, viveríamos na padronização do pensamento dos estados autoritários.

 

Eliabe Castor

PB Agora

Por Eliabe Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Gleisi sugere que petistas entreguem cargos no Estado: “Tem que sair todos”

A presidente do PT nacional, Gleisi Hoffmann, falou a respeito do imbróglio que envolve a sigla em âmbito nacional e o PT de João Pessoa com relação às candidaturas de…

Ruy quer modernizar educação de JP e capacitar professores para novas tecnologias

O ensino de João Pessoa precisa ser modernizado para atender às expectativas da nova geração de alunos das escolas, com equipamentos de qualidade, internet de alta velocidade nas escolas municipais…