“A Terra é azul”, dizia um cosmonauta russo há 58 anos. Tratava-se da primeira viagem tripulada que aconteceu em 12 de abril de 1961. Era o voo inaugural do ser humano. Sobrevoo que possibilitou uma volta completa em órbita ao redor do planeta.

E na órbita estava o cosmonauta da então União Soviética Yuri Gagarin que, durante 108 minutos, “percorreu” a circunferência da Terra. E dito isso, veio a esperança de uma paz mundial.

Mas não foi! Naquele gesto, naquele feito, residia a mais pura discórdia entre soviéticos e norte-americanos no que foi marcado como “Guerra Fria”.

E nesse contesto de embates bélicos, faz-se evidente que esse cidadão do “mundo” – o Gagarin – quase nada contribuiu para a paz mundial. Ao contrário, nossa frágil Terra esteve à beira de um precipício nuclear.

E aqui digo, falo e afirmo, pois não sou venal e tenho a quase capacidade de “interpretar o óbvio. Existem na Paraíba corajosos Gagarin. O problema reside em quem define a missão “espacial” de cada um.

Um burocrata? Um sindicalista? Ou aquele, aquela, que se qualificou para entender que a camada social do povo é tecido vivo, longo, frágil?

Agora, pondo à baila a porção Paraíba enquanto nave-mãe, observo que só duas correntes políticas, hoje antagônicas, poderiam tentar uma reaproximação. Coexistirem e “salvar” a terra que deu à luz ao mestre Ariano.

Pra nossa redenção, o cordão encarnado de João Grilo e o azul de Chicó têm que dialogar. Eis aí a disporá literária e política que reside na terra “onde” o sol e o saci nascem primeiro.

A disputa pela terra, lua, mar ou pedaço de barro da nossa bela “Mãe Gentil” Paraíba residem tapas. Beijos são poucos, pois as “palmadas” vigoram em dias atuais. “Palmadas” ilógicas.

E digo isso com propriedade, pois boa memória eu tenho. Ou quase isso. Hoje é evidente, no meu “cerebelo”, que Ricardo Coutinho (PSB) e seu sucessor, João Azevêdo, lutaram em favor do “sexo dos anjos” por longos anos.

Então, não se pode de forma lógica jogar um projeto político exitoso, que colocou a Paraíba como timão da região Nordeste, no lixo. Não se deve negligenciar os “anjos”.

Francamente, o povo não solicita uma reconciliação plena de Azevêdo e Coutinho. Mas por favor, romper um laço político vencedor é, no mínimo, um gesto incongruente. Aqueles que acreditaram, viram e estiveram a acompanhar a boa evolução social da Paraíba esperam dias melhores, afinal, a “A Terra é azul”.

 

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Entidades cobram ações do prefeito da capital Luciano Cartaxo para a população de rua. Veja a petição!

Entidades não governamentais, grupo de voluntários, militantes da causa em defesa dos direitos dos moradores de rua, cidadão de todos os ramos profissionais, estão promovendo na capital uma petição pública…

Vereador da base de Romero faz agradecimento a Veneziano por obra

Em post nas suas redes sociais o vereador campinense Pimentel Filho que integra a base e o partido do prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSD), fez um agradecimento público…