Por pbagora.com.br

Na viagem que fez aos Estados Unidos, integrando comitiva brasileira que
visitou o país semana passada para estreitar relações bilaterais
Brasil–EUA, sobretudo na área comercial, o Senador Vital do Rêgo (PMDB-PB)
discutiu com empresários americanos a ampliação de oportunidades de
estágios para brasileiros em empresas americanas.

 

Em reunião na Amcham (American Chamber of Commerce for Brazil), Câmara de
Comércio Brasil – Estados Unidos, Vital e os demais membros a comitiva
discutiram metas para ampliar o programa Ciências sem Fronteiras, que abre
oportunidades de estágio para profissionais como engenheiros, arquitetos,
dentre outros, nas empresas instaladas nos estados Unidos.

 

Vital citou a importância do Brasil como parceiro comercial dos EUA,
lembrando que a Amcham é a maior Câmara Americana entre as 104 existentes
em diversos países; a maior fora dos EUA, com cerca de 5 mil associados e
presente em 13 cidades, tida hoje como a maior entidade empresarial
não-sindical do país, multisetorial, com prestações de serviços os mais
diversificados.

 

*Mais 3 mil vagas – *Vital destacou a importância da ampliação do programa,
gerando mais oportunidades para profissionais brasileiros que queiram atuar
no exterior. Atualmente, cerca de 6 mil profissionais brasileiros atuam nos
EUA, através do programa Ciência sem Fronteiras. Após as reuniões ocorridas
entre brasileiros e americanos, ficou decidida a ampliação de mais 3 mil
oportunidades, ampliando para 9 mil profissionais a participação do Brasil.

 

O Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação,
expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da
competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade
internacional. A iniciativa é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da
Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC),
por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e
Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

 

O projeto prevê a utilização de até 101 mil bolsas em quatro anos para
promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação
façam estágio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas
educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Além disso,
busca atrair pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou
estabelecer parcerias com os pesquisadores brasileiros nas áreas
prioritárias definidas no Programa, bem como criar oportunidade para que
pesquisadores de empresas recebam treinamento especializado no exterior.

 

A Amcham foi fundada em 1919 por nove empresas e instituições:
Brazaço-Mapre, Citibank, Esso, General Electric, Goodyear, Indústrias
Matarazzo, Lion, Singer e Universidade Presbiteriana Mackenzie – e
funcionou inicialmente só na cidade de São Paulo, onde foi realizada a
primeira eleição de diretoria em 1920.

 

Ascom

Notícias relacionadas

Vídeo: primeira dama de Cabedelo dá versão após boatos de traição conjugal

Em vídeo-resposta a um ‘Fake News’, divulgado na noite de ontem (19), por meios de grupos de redes sociais, a primeira-dama de Cabedelo, Daniela Ronconi, rebateu a informação sobre uma…

Em 20 dias de mandato, Léo Gadelha já apresentou 16 proposituras na Câmara

O deputado federal Leonardo Gadelha, do PSC, tomou posse no mandato na Câmara em 31 de março  e em apenas 20 dias de mandato já protocolou 16 propostas legislativas. A…