Por pbagora.com.br

O DEM e o MDB, que integram o Centrão na Câmara, anunciaram desde o fim de julho que saíram do bloco — liderado pelo deputado Arthur Lira (Progressistas-AL) e que tinha 221 dos 513 parlamentares da Casa. O desembarque vai ter impacto no governo federal, que, nos últimos meses, se aproximou do grupo para formar uma base de apoio e conseguir aprovação de pautas. Agora, o Executivo vai lidar com uma bancada de 158 integrantes.

O líder do DEM, Efraim Filho (PB), disse que a saída é amigável. “Não teve bronca, não teve briga, não teve divergência. É uma posição em nome da autonomia do partido, e vida que segue”, afirmou.

O Centrão foi montado em 2019 para definir a formação da Comissão Mista de Orçamento (CMO). Era composto por PL, PP, PSD, MDB, DEM, Solidariedade, PTB, Pros e Avante. Alguns estão mais alinhados com o governo (como o PP, PSD e PL) e outros têm posição de mais moderados, como o Solidariedade. Essa diferença de posicionamento é um dos motivos da saída dos dois partidos. Outra causa é a disputa pela Presidência da Câmara, marcada para fevereiro.

Correio Brasiliense

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Siqueira atiça fogueira do PT e PSB: “Não ter a companhia do PT é muito bom”

O apoio da Executiva Nacional do PT ao nome do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na disputa pela PMJP vem causando um verdadeiro alvoroço na política da Capital paraibana desde que…

Análise: João Azevêdo dribla picuinhas localizadas e se mantém macro no debate político

O elogio do vice-presidente da República Hamilton Mourão (PRTB) à postura do governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), em entrevista a veículos de imprensa paraibanos nesta semana, comprovou que o…