Os prazos finais para as mudanças de partido, as chamadas janelas partidárias, para os candidatos as eleições deste ano, foram encerrados na última sexta-feira, visto que mesmo com a pandemia do Coronavírus, as eleições estão mantidas para outubro. Os pré-candidatos tiveram que correr contra o tempo para mudar de partido e assim, concorrer às eleições municipais.

As mudanças obedecendo o calendário eleitoral, mexeram no mapa geopolítico da Paraíba. Alguns partidos ficaram mais fortes, e outros perderam forças. É o caso do MDB, que ganhou alguns reforços, e pode se fortalecer ainda mais com a provável filiação do Senador Veneziano Vital do Rêgo, que já recebeu convite para retornar ao partido, e está analisando se permanece ou sai do PSB. Veneziano foi convidado pelo Presidente Nacional do MDB, Deputado Federal Baleia Rossi; e o Líder do partido no Senado Federal, Senador Eduardo Braga,

O PSD também ganhou musculatura política para o pleito que se avizinha, mesmo o deputado estadual e atual secretário de Planejamento e Gestão, Tovar Correia Lima tendo decidido permanecer no PSDB ao invés de migrar para o partido do Romero Rodrigues.

Em compensação, o ex-deputado e prefeitável Bruno Cunha Lima, decidiu se filiar ao PSD. Bruno tinha recebido convites para se filiar no DEM ou no MDB.

No fechamento da janela, o PSDB do ex senador Cássio Cunha Lima perdeu forças. Após muitos anos de militância partidária, o ex-governador, ex-senador e ex-prefeito de João Pessoa Cícero Lucena Filho deixou os quadros do partido, na qual chegou a integrar a sua direção nacional.

Apesar de ter dito, renovadamente, que não pretende disputar as eleições municipais deste ano, e de até mesmo estar defendendo o adiamento do pleito, o fato é que Cicero utilizou o prazo limite estabelecido pela legislação eleitoral e se filiou ao Progressista, legenda comandada na Paraíba pela família Ribeiro.

Cícero Lucena foi renovadamente sondado, nos últimos meses, pelo senador José Maranhão, para se filiar ao MDB.

Já o prefeito afastado do município de Patos, Dinaldinho Wanderley, também anunciou sua saída do PSDB. Dinaldinho informou que se filiará ao MDB, que é comandado pelo senador José Maranhão na Paraíba.

Quem ganhou forças no fechamento da janela partidária foi o PP. O presidente da Câmara Municipal de João Pessoa, vereador João Corujinha, decidiu voltar ao Partido dos Progressistas. A volta ao partido comandado pela Família Ribeiro na Paraíba ocorre após exatos 12 anos.

“Eu era filiado ao PP quando cheguei à Câmara pela primeira vez, para ocupar uma cadeira na Casa de Napoleão Laureano e poder trabalhar pelo povo de João Pessoa. Assim permaneci até 2008”, destacou o presidente.

Anteriormente, Corujinha estava filiado ao Democracia Cristã (DC), onde ocupava a presidência estadual, mas decidiu voltar ao Progressistas para disputar a reeleição. Ele disse se identificar muito com o núcleo social e político do Progressistas com desenvolvimento de ideias que estão alinhadas à sua trajetória política.

O MDB perdeu o vereador vereador campinense Olímpio Oliveira. Além de Olímpio, o vereador campinense Ivan Batista (PSDB) também informou, que deverá buscar a reeleição pelo PSD.

Entre perdas e ganhos, o senador José Maranhão revelou que várias pessoas já se filiaram ao MDB para integrar a chapa de vereadores em João Pessoa. Ele ainda considerou que em João Pessoa o MDB vai figurar na chapa majoritária com grande possibilidade de sair vitorioso.

– Estamos inovando o sangue novo do MDB de João Pessoa e com amplas possibilidades de vencer as eleições. Estamos primeiro fazendo o trabalho de quadros. O MDB pretende ter candidato próprio na maioria das cidades – disse.

Severino Lopes
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Presidente do TRE/PB avisa que Corte está preparada para realizar pleito esse ano

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, José Ricardo Porto, endossou, nesta terça-feira (26) a tese defendida pelo novo ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Alberto Barroso sobre a…

Opinião – Depois da pandemia virá a mais difícil tarefa para os governantes: o ressurgir das cinzas

A tarefa prevista para os chefes de Executivo, em todos os níveis, para o pós-pandemia, não é missão para qualquer um. Principalmente no tocante aos governadores de Estado. Ao final…