Nesta semana, as primeiras caixas com os quase 1,5 milhão de presentes recebidos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela primeira-dama Marisa Letícia ao longo dos oito anos na Presidência começaram a chegar ao gabinete pessoal da Presidência da República, no Palácio do Planalto.

De lá, as caixas, suficientes para encher 11 caminhões de mudança, serão encaminhadas para um depósito, onde ficarão guardadas até a provável criação de um instituto de Lula, a exemplo do que fez Fernando Henrique Cardoso.

O enorme acervo do presidente Lula não para de crescer. Todos os dias chegam à Diretoria de Documentação Histórica da Presidência vários presentes, além de cerca de 250 cartas e 250 emails. E absolutamente tudo – de joias a bilhetinhos – é catalogado e encaminhado (cartas e emails são respondidos e objetos são guardados). Um trabalho que precisa de mão de obra de 45 pessoas.

Os 1.403.417 itens recebidos por Lula e Marisa, de acordo com balanço até 19 de novembro, estão em um depósito de 120 metros quadrados do Palácio da Alvorada e em duas grandes salas da Diretoria de Documentação Histórica, no Palácio do Planalto. A área total que abriga os presentes soma cerca de 250 metros quadrados, tamanho de um apartamento de quatro quartos.

 Por lei, todos os objetos recebidos por um presidente são tratados como patrimônio cultural brasileiro e declarados de interesse público. Por isso, passam pela triagem do Departamento de Patrimônio Cultural, criado ainda no governo Sarney (1985-1990) para evitar que objetos históricos se perdessem, ou fossem parar em outros países.

O diretor de Documentação Histórica do Palácio do Planalto, Claudio Soares Rocha, explica.

– O objetivo do nosso trabalho é salvaguardar o público do privado. Tratamos o que permeia o público. Por exemplo, um aviso oficial do presidente fica arquivado no Planalto. Já um bilhete enviado por um ministro sobre o aviso, é catalogado por aqui, faz parte do acervo pessoal.

Apesar do tratamento diferenciado, o acervo é de propriedade do presidente. Se ele quiser vender algum objeto, a União tem preferência na compra. Além disso, objetos antigos, anteriores ao mandato, são incorporados ao acervo e igualmente catalogados e arquivados.

No caso do presidente Lula, o Departamento de Documentação Histórica reuniu vários objetos, como fotos antigas, roupas e a primeira bandeira do PT, costurada por Marisa Letícia.

R7

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

TRF absolve vice prefeito Enivaldo Ribeiro em ação de improbidade

A 3ª turma do TRF da 5a Região , em julgamento ocorrido nesta quarta -feira , reformou sentença proferida pela 4a Vara Federal de Campina Grande, julgando improcedente ação de…

Bruno afirma ter apoio de vereadores de Romero para disputar PMCG

Prestes a se encontrar com o ex senador Cássio Cunha Lima (PSDB), para discutir a sucessão municipal de 2020, o ex-deputado Bruno Cunha Lima, e atual secretário-chefe do Gabinete do…