FRAUDE EM LICITAÇÕES: Ministério Público Federal ajuíza ações contra ex-prefeito sertanejo e mais três pessoas

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação de improbidade administrativa e uma ação penal contra o ex-prefeito de São Bento, Jaci Severino de Sousa, mais conhecido como Galego de Sousa (PP), e mais três pessoas – Isabel Dorlange Soares Vieira, Girleno Pereira da Silva e Francisco Bezerra Ferreira -, por supostas práticas de crimes de fraude em licitação, formação de quadrilha e falsificação de documentos.

 

O ex-gestor e os três foram denunciados por indícios de várias irregularidades, dentre elas a aplicação recursos federais liberados pelo Ministério da Saúde, para conclusão das obras de construção do Hospital e Maternidade Maria Paulino Lúcio, com o pagamento por serviços que não foram executados. O ex-prefeito, que é tio do atual prefeito, Gemilton de Sousa (PR), também foi denunciado pela suposta a liberação indevida, em sete anos de gestão – de 2005 a 2011 -, de mais de R$ 11 milhões para empresas ligadas a parentes

 

As ações foram assinadas pelo procurador da República Bruno Galvão Paiva, e estão em tramitação na 8ª Vara Federal no município de Sousa. E tiveram como base relatório de auditória realizado pela Controladoria Geral da União (CGU) dos recursos repassados por meios de programas federais ligados as áreas de Educação e Saúde, como também, de resultado de inquérito policial da Polícia Federal.

 

""Conforme é relatado na ação do MPF, que trata da questão de ato de improbidade administrativa, como resultado do convênio nº 13649/2007, o Ministério da Saúde se encarregou de repassar ao Município de São Bento R$ 2,3 milhões para execução da obra pactuada. Como contrapartida o município iria arcar com R$ 116 mil, bem como executar as ações necessárias à construção do objeto do Convênio, aplicar os recursos transferidos, exclusivamente, na execução das ações pactuadas e prestar contas à concedente de todos os recursos que lhe foram transferidos.

 

No entanto, conforme é apresentado nos autos da ação, em quando da fiscalização por parte da CGU, in loco, foi constado que a administração municipal, com base em boletins assinados por Isabel Dorlange, na condição de engenheira do município, efetuou pagamentos por serviços que ainda não haviam sido executados. Além disso, a denunciada, que é apontada como sobrinha do ex-vice-prefeito Francisco de Assis Vieira da Nóbrega, conhecido como Dr. Menininho, e como proprietária da empresa Execut – Projetos e Material de Construção – juntamente com Girleno, na condição de responsável técnico da empresa Sibeza-Silva Construções LTDA, atestaram a execução de serviços que não haviam sido executados, o que gerou, naquele momento, o pagamento indevido de mais de R$ 543 mil.



Serviços não realizados e pagos

 

O representante do MPF alega ainda na denúncia que fundamentou o ajuizamento das ações, que Isabel confessou abertamente que tinha atestado a execução de serviços que não tinha sido realizado e que tinha feito isso com o consentimento de Jaci e orientação de Girleno e Francisco

 

Na ação, MPF pede a condenação dos acusados pela prática de crime prevista no artigo 92 da Lei 8.666/93, a chamada lei das licitações (fraude em licitações) e pelas condutas tipificadas nos artigos 69 e 304 do Código de Processo Penal (formação de quadrilha – concurso material – e falsificação de documentos).

 

A denúncia do MPF, que deu origem ao ajuizamento das duas ações teve como base o resultado de investigações realizadas da Polícia Federal, por meio do Inquérito Policial nº 0160/2013, de relatório da CGU e uma reportagem veiculada pela Revista Politika, na Edição nº12, de março de 2012, intitulada “Prefeito Vampiro Sangra Cofres Públicos”.

 

A reportagem, citada, tanto no relatório da CGU, quanto no inquérito da PF, segundo a qual “o prefeito Jaci Severino de Sousa, teria liberado, em sete anos de gestão, de 2005 a 2011, mais de R$ 11 milhões para empresas ligadas a parentes”. De acordo com a polícia, o levantamento de gastos repassados pelo Governo Federal, bem como recursos próprios do município, no período, nos quais foram encontrados indícios de vários pagamentos direcionados a pessoas físicas e jurídicas ligadas a parentes do ex-prefeito e do ex-vice-prefeito.

 

Além disso, o relatório do inquérito da PF apresentada os valores, as empresas e o parentesco de seus proprietários com o prefeito e ex-prefeito, revelando suposta ‘rede’ de beneficiamento familiar que dispõe contra a impessoalidade da gestão pública.

 

PF apurou canalização de recursos

 

Conforme a denúncia apurada, o ex-prefeito teria beneficiado familiares, e canalizado dinheiro público com a finalidade de enriquecimento ilícito, sendo listados, resumidamente, os principais parentes e aderentes, e as atividades ligadas à prefeitura: Milton Sousa e Antonio Sousa – irmãos do ex-prefeito e donos do posto de combustível “Sousa”; Gemilton Sousa – sobrinho do ex-prefeito, filho de um dos donos do posto de gasolina e dono de oficina mecânica G-Car Pneus, que prestava serviços à prefeitura; Cesanildo Sousa da Silva – sobrinho do ex-prefeito e irmão do atual prefeito, que tinha três veículos locados à Prefeitura; Ubaldo Sousa – sobrinho do ex-prefeito e irmão de Francisco Chagas, dono de uma churrascaria, é proprietário de um mercadinho que fornece produtos de limpeza à Prefeitura e Isabel Vieira – sobrinha do ex-vice-prefeito, é proprietária da Execut – Projetos e Materiais de Construção, tendo assumido o comando da empresa desde 2005, quando seu tio, Aurino Soares, passou a responder pela Secretaria Municipal de Finanças e Administração, cargo que exerce até hoje.

 

Lista de parentes beneficiados

 

Também são relacionados como parentes dos ex-gestores beneficiados: Franciana de Sousa Maia – mulher de Ubaldo, também gerencia um mercadinho que vede mercadoria à Prefeitura; Francisco Silva Sousa – sobrinho do ex-prefeito. É filho de Antônio e dono da ‘Casa do Aço Materiais de Construção’, recebeu da Prefeitura pagamento no valor de R$ 166.246,10 pela sua firma e também R$ 88 mil como pessoa física; Francisco de Chagas da Silva – sobrinho do ex-prefeito. Possui uma churrascaria que fornece refeição à Prefeitura; Marcelo Ferreira de Sousa – sobrinho do ex-prefeito. Possui uma locadora de veículos, que presta serviços junto à Prefeitura; Francisco Borges – irmão do secretário de Finanças, Aurino Soares de Queiroz, possui uma empreiteira de nome F.B Neto Construtora Ltda, locou um trator de esteira à Prefeitura.

 

Na relação constam, ainda, os nomes de: Ricardo Pereira do Nascimento – marido de Isabel (sobrinha do ex-vice-prefeito), como encarregado de fazer todo o transporte escolar de estudantes que residiam na zona rural e que tomava conta da loja gerenciada pela esposa, que fabrica e vende pré-moldado de alvenaria; Jandilson Pedro da Silva – marido da irmã de Isabel. É o principal fornecedor de gêneros alimentício para a Prefeitura, vendendo também produtos de limpeza, carne verde e hortifrutigranjeiros, Antonio Felizardo da Costa Sousa – sobrinho do prefeito, irmão do dono da churrascaria e proprietário do mercadinho administrado por Franciana e Ubaldo.

 

PB Agora com Jornal Correio

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Governo promove de 21 e 25 deste mês o 14º Mutirão de Renegociação de Dívidas em Campina

Entre os dias 21 e 25 de Outubro, Campina Grande irá receber o 14º Mutirão de Renegociação de Dívidas, uma iniciativa do Governo do Estado da Paraíba, através do PROCON…

Cientista político paraibano elenca motivos da baixa quantidade de mulheres eleitas na política

As regras da Justiça Eleitoral que buscam resguardar cotas mínimas de candidaturas femininas e de recursos financeiros a elas ainda não são garantia de que mais mulheres serão, efetivamente, eleitas…