Ao levantar a possibilidade de entregar a mulheres pelo menos 30% dos cargos na Esplanada, a presidente eleita, Dilma Rousseff, mal imaginava que abria uma brecha para reivindicação de representantes de movimentos de igualdade e em defesa de minorias. A Dilma, agora cabe materializar na equipe a diversidade sexual e racial que defendeu ao longo da campanha. Para os afrodescendentes, é importante que membros da comunidade estejam em postos importantes. Diferentemente do que pensam representantes de índios e de gays, lésbicas e transgêneros. Se a petista conseguir criar políticas públicas sérias para esses segmentos, já está de bom tamanho.

Integrantes do movimento em defesa da mulher negra resolveram declarar que querem uma fatia do poder público a partir de 2011. “Nós somos maioria, queremos representatividade não só no Ministério do Esporte e em secretarias especiais. Queremos ministras negras. Até porque a questão da mulher negra é muito mais grave do que a do homem negro. A sociedade nos colocou num lugar que não é nosso”, diz uma das coordenadoras do Fórum Nacional de Mulheres Negras (FNMN), da Bahia, Gicélia Cruz.

Ela engrossa o coro liderado pelo presidente da ONG Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro), frei David Santos. Na segunda-feira da semana passada, ele encaminhou carta à presidente eleita em que defende uma cota de 30% de negros na equipe ministerial. O frei ainda não recebeu resposta e acha que isso talvez não aconteça tão cedo. “Entramos numa briga de foice. Todo mundo quer cargo”, afirmou ele. No Congresso Nacional, o pedido é considerado legítimo.

Para a senadora Fátima Cleide (PT-RO), sem reclamação não tem crescimento. “Acho que Dilma vai considerar cada um dos pedidos para composição do governo”, afirma. “É fundamental que esses movimentos sejam ouvidos”, acrescenta o senador Gilvam Borges (PMDB-AP).

Entre os indígenas, mais do que representantes no alto escalão, o que preocupa é o silêncio de Dilma em relação a eles durante e após as eleições. “Não houve bom senso nem sensibilidade para lembrar o índio”, reclama o representante da Coordenação dos Povos Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), Marcos Apurinã. No segundo turno, ele entregou aos candidatos à Presidência uma carta com as demandas da raça. Entre eles, a aprovação do novo estatuto dos Povos Indígenas e do Projeto de Lei do Conselho Nacional e Política Indigenista. “Defendemos ainda a implementação de uma política educacional nas aldeias e uma saúde de qualidade.”

Uma outra fonte de dor de cabeça do dirigente diz respeito às grandes obras de infraestrutura tocadas pelo atual governo e que devem ser concluídas com Dilma. Segundo ele, nenhuma entidade ligada aos índios foi consultada sobre a construção das hidrelétricas de Jirau, no Rio Madeira (RO), que já está em andamento, e de Belo Monte, no Rio Xingu (PA). “O governo fez vista grossa e nos empurrou goela abaixo essas obras. O Brasil quer ser de Primeiro Mundo sem levar em conta a voz das minorias”, diz. Apurinã defende a permanência dos titulares da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), Antônio Alves, e da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira. “O importante é que se dê continuidade aos trabalhos”, afirmou ele.

Ameaça de barulho
Segundo o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, Toni Reis, não há qualquer interesse por cargos ou status. Mas isso não quer dizer que o movimento seja indiferente às indicações para o próximo governo. Caso um dos ministros, por exemplo, tenha um histórico de comportamento homofóbico, a categoria vai fazer barulho. “A presidente vai se incomodar com a gente. Não vamos aceitar quem não nos respeita”, afirma ele. A única reivindicação do segmento é a execução do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos para a população LGBT. “Queremos gente competente para discutir políticas para essa faixa de brasileiro”, declara Toni.

Enquanto os demais movimentos tentam encontrar um lugar no governo Dilma, feministas festejam a intenção voluntária da presidente de aumentar a presença das mulheres na Esplanada. Para a coordenadora nacional da União Brasileira de Mulheres, Elza Campos, a decisão da presidente eleita é carregada de simbolismos. “Embora ela não seja feminista, ela tem sensibilidade e compreensão sobre o papel da mulher.”

Única mulher eleita da bancada da Bahia para o mandato de 2011 a 2014 na Câmara dos Deputados, Alice Portugal (PCdoB), também celebrou a iniciativa. “É uma decisão muito avançada. É uma forma de afirmar o gênero, já que isso ainda não aconteceu no Legislativo”, declarou. Nas eleições deste ano, foram eleitas 45 deputadas federais e oito senadoras. Juntas, elas ocupam menos de 10% das cadeiras do Congresso. “É uma situação vexaminosa”, afirmou Alice.

Correio Braziliense

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Análise: com o lucro mensal de um só cartório, se manteria as comarcas que foram fechadas e abriria outras, alerta Tião

Apesar das pressões em contrário, e das manifestadas insatisfações com tamanha ousadia, o deputado Tião Gomes não arredou o pé de pedir a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito…

Deputado rechaça declaração sobre morte de Lula, mas defende pena da morte

O deputado estadual Cabo Gilberto (PSL), comentou as declarações à imprensa do deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP) onde afirmou, no último sábado, que não vê a hora “do Lula morrer”.…