O prefeito do município de Santa Rita, Marcus Odilon, que esteve participando de uma sessão especial na Assembleia Legislativa, na manhã desta quinta-feira (18), disse em entrevista a imprensa que não vai se desfiliar do PMDB. “Se o PMDB me odeia, que me expulse, mas eu não irei me desfiliar”, disse.

Marcus Odilon, a deputada Iraê Lucena entre outros peemedebistas estão sob a ameaça de sofrer sanções do partido por terem contrariado as orientações partidárias nas eleições, nas quais o governador José Maranhão e presidente de honra do PMDB não conseguiu a reeleição. Tanto o prefeito como a deputada anunciaram apoio ao candidato adversário, o socialista Ricardo Coutinho (PSB).

O prefeito lembrou que não tem divergência com o partido, mas sim o partido tem com ele desde uma convenção vencida por ele e desconsiderada pelo então presidente do partido, Humberto Lucena na qual foi apresentado outro candidato e ainda assim ele foi candidato ao governo da Paraíba.

Ele ironizou as ameaças do presidente Antônio Souza da Silva e perguntou aos repórteres quem era Antônio. Um dos repórteres respondeu que o presidente do PMDB era um contador e amigo pessoal de Maranhão. “Não sei quem é esse senhor. Lembro de um contador que mandou colocar no seu túmulo: aqui jaz um contador, contador de grande monta que nunca errou uma conta, a não ser em seu favor”, disse.

 

Paraibaonline

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Julian ironiza facada de Bolsonaro e diz que partido virou máquina milionária

Um áudio vazado de uma reunião entre membros do PSL de Aracaju (SE) com a presença do vice-presidente nacional e presidente da sigla na PB o deputado federal Julian Lemos…

MPF pede quebra de sigilo bancário de ex-prefeito no âmbito da Operação Andaime

No âmbito da Operação Andaime, deflagrada em 2015, o Ministério Público Federal (MPF) solicitou a quebra do sigilo bancário e fiscal do ex-prefeito de Santa Cruz (PB), Raimundo Antunes. De…