Após impasse no TRE corregedor diz que novas eleições podem acontecer em março

Após impasse no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) dos cerca de 300 indígenas da tribo potiguara do município de Marcação, na tarde desta quarta-feira, (01), o corregedor eleitoral, Carlos Neves da Franca, afirmou que vai apresentar ao Pleno do TRE um novo estudo com uma data para a realização das eleições.
Ele declarou que as eleições podem acontecer em março de 2011. As eleições suplementares em Marcação e Itapororoca foram suspensas por uma liminar do ministro Marco Aurélio de Melo.

Carlos Neves disse que vai apresentar um novo estudo para que o Pleno aprecie com prazos mais extensos para recursos e propagandas eleitorais. “Possivelmente estaremos apresentando na próxima sexta-feira”, explicou.

Os moradores de Marcação deixaram o prédio da Justiça Eleitoral, mas prometeram retornar caso a promessa de agendar as eleições para o mês de março não seja cumprida.

 

Hoje no início da tarde

 

PROTESTO: cerca de 300 indígenas da tribo potiguara do município de Marcação se aglomeraram em frente ao Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, em João Pessoa, na tarde desta quarta-feira (01) para exigir a realização de novas eleições na cidade.

O pleito estava marcado para acontecer no dia 19 de dezembro, mas foi suspenso por uma liminar concedida pelo ministro do TSE, Marco Aurélio de Melo. O mandado de segurança com pedido de liminar foi uma iniciativa do PT e do PRB do município.

Diante do impasse, o juiz João Ricardo Coelho e o corregedor eleitoral Carlos Neves da Franca decidiram receber uma comissão formada por representantes do grupo para conversar sobre assunto.

De acordo com um dos representantes da tribo que está no local, integrantes de quatro aldeias participam do protesto. Caso o Tribunal Regional Eleitoral não encontre uma solução para o impasse, o cacique que lidera a manifestação irá solicitar a vinda dos demais populares que aguardam uma sinalização na cidade. A expectativa é que moradores de outras oito aldeias também compareçam a sede do TRE da Paraíba para pressionar a Corte a liberar a realização de novas eleições na cidade.

A reportagem do portal PB Agora entrou em contato com funcionários do Tribunal que confirmaram o fato e avisaram que alguns dos protestantes já prometem acampar em frente à sede do órgão até que alguma definição seja dada para o problema.


Entenda o caso

 

O TRE-PB cassou o prefeito e o vice-prefeito do município de Marcação devido à captação ilícita de sufrágil e abuso de poder econômico. Ambos foram acusados de doar material de construção a eleitores durante a campanha de 2008.

Com a decisão, o prefeito Paulo Sérgio da Silva Araújo (PMDB) e seu vice Valdi Fernandes da Silva ficaram inelegíveis por um período de três anos. Além da cassação e da inelegibilidade, o gestor recebeu multa no valor de R$ 53.205 mil.

 

 

 

 

 

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Laurita Vaz concede Habeas Corpus ao ex-procurador Gilberto Carneiro

A ministra do Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz, concedeu na manhã desta sexta-feira (21) o Habeas Corpus ao ex-procurador da Paraíba, Gilberto Carneiro, preso no âmbito da Operação Calvário.…

Em Campina Grande, Deltan enfatiza papel cristão e combate à corrupção

Palestrante da 22ª edição do Encontro para a Consciência Cristã em Campina Grande, evento que teve início na noite de ontem, quinta-feira (20), o coordenador da ‘Operação Lava Jato’ em…