Levantamento feito pela Controladoria Geral do Estado em relação à liberação de recursos pelo Projeto Cooperar, no final da gestão do ex-governador José
Maranhão, em 2002, aponta graves irregularidades na aplicação do dinheiro público por parte de entidades ligadas politicamente à atual Oposição.

Em dois casos, em Araruna – área de atuação da família Maranhão – e em Catolé do Rocha – onde o deputado Gervásio Filho (PMDB) tem seu principal
reduto eleitoral – mais de um milhão de reais não tiveram destinação comprovada, levantando fortes suspeitas sobre a aplicação do dinheiro
liberado pelo Cooperar.

Clique nos links abaixo e confira a relação das entidades beneficiadas no final do Governo Maranhão, e que nunca prestaram contas, em Catolé do Rocha e Monteiro, com os respectivos valores:
 

Documento 01

Documento 02

 

 

PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Secretário diz que João orientou socialistas a não rebaterem RC

O secretário estadual de Articulação Política, João Gonçalves, em rápida passagem pela Assembleia Legislativa, na manhã desta quarta-feira (18/09), revelou que o governador João Azevêdo orientou os membros de sua…

Galdino sepulta crise no PSB e diz que foco agora é a governabilidade

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB) colocou uma pedra na crise que ainda assola o PSB e avisou, durante entrevista nesta quarta-feira (18), que o assunto…