Levantamento feito pela Controladoria Geral do Estado em relação à liberação de recursos pelo Projeto Cooperar, no final da gestão do ex-governador José
Maranhão, em 2002, aponta graves irregularidades na aplicação do dinheiro público por parte de entidades ligadas politicamente à atual Oposição.

Em dois casos, em Araruna – área de atuação da família Maranhão – e em Catolé do Rocha – onde o deputado Gervásio Filho (PMDB) tem seu principal
reduto eleitoral – mais de um milhão de reais não tiveram destinação comprovada, levantando fortes suspeitas sobre a aplicação do dinheiro
liberado pelo Cooperar.

Clique nos links abaixo e confira a relação das entidades beneficiadas no final do Governo Maranhão, e que nunca prestaram contas, em Catolé do Rocha e Monteiro, com os respectivos valores:
 

Documento 01

Documento 02

 

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Filho de Dinaldo Wanderley revela que corpo do seu pai vai ser cremado

Por meio das redes sociais o filho do ex-prefeito e ex-deputado estadual Dinaldo Wanderley, Dinaldinho Wanderley disse que o corpo de seu pai, será cremado em João Pessoa, em cerimônia…

Políticos paraibanos lamentam morte de Dinaldo Wanderley por Covid-19

Diversos políticos paraibanos lamentaram neste domingo (24), a morte do ex-deputado estadual e ex-prefeito de Patos, Dinaldo Wanderley, ocorrida hoje, por Covid-19, causou comoção à classe política paraibana. Dinaldo estava…