Por pbagora.com.br

Maranhão admite conversas e integrante do Blocão defende duas candidaturas de oposição em 2014 

O ex-governador José Maranhão e o deputado federal Leonardo Gadelha
participaram hoje do programa ‘Debate Sem Censura’, da Rádio Sanhauá, e
falaram sobre as conversas mantidas com os partidos de oposição na Paraíba.
Segundo Maranhão, a conversa com Leonardo Gadelha foi muito boa e disse que
a oposição poderá se unir e lançar uma chapa para o Governo em 2014.

Indagado sobre conversas e alianças com Wilson Santiago, Ricardo Marcelo e
Luciano Agra, Maranhão disse que só pode falar sobre fatos reais, mas disse
acreditar que o PEN pode se acostar ao projeto do PMDB.

O ex-governador elogiou o presidente da Assembleia, deputado Ricardo
Marcelo, e disse que ele tem presidido muito bem o PEN paraibano. Ele disse
que acredita no alinhamento de Luciano Agra com a oposição e disse que é
alguém com quem se pode conversar sobre as eleições 2014.

Já Leonardo Gadelha disse que o ‘blocão’ tem um projeto, mas a oposição tem
que seguir unida. Ele afirmou que os diálogos são importantes e tem que
acontecer com todos os partidos, e disse que outras agremiações tem que ser
contactadas nos próximos dias. O parlamentar afirmou, no entanto, que as
decisões serão tomadas apenas em 2014.

Ele reafirmou seu compromisso com o ‘blocão’ e disse não haver obstáculos
para a união das oposições no primeiro turno. Leonardo disse que a questão
é matemática e política, “os partidos não são inimigos”, ressaltou. Para
ele, seria bom que a oposição lançasse duas candidaturas e se unissem no
segundo turno, Gadelha disse que não fará disso um cavalo de batalha, mas
acha esta opção mais coerente, apesar de considerar a possibilidade de
juntar todos os partidos em uma chapa.

Indagado sobre a possibilidade de ser o candidato que representará o
‘blocão’, Leonardo Gadelha disse que está muito feliz pela lembrança, mas
relatou que as discussões, no momento, são de conceitos. Ele disse que o
momento de citar nomes está se aproximando, mas os conceitos são mais
fortes que as pessoas e as reuniões têm girado em torno de ideias, porque
os partidos querem entregar à população um projeto sólido. “Depois que os
conceitos forem apreciados, qualquer nome escolhido pelos partidos será bem
recebido. Primeiro os conceitos, depois as pessoas”, finalizou.

 

Ascom

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Damião Feliciano antecipa 2022: “O nosso lado é o do governador do Estado”

O deputado federal Damião Feliciano evitou antecipar os objetivos do PDT, sigla da qual faz parte, para as eleições de 2022, quando a Paraíba votará para presidente, senadores, deputados estaduais…

Opinião: como Bolsonaro, Nilvan perde discurso e não tem o “Bolsa Covid” beneficiando-o nas pesquisas eleitorais

O “Triste fim de Policarpo Quaresma”, que foi ao público em (1915), é considerada a obra-prima do escritor Lima Barreto. Em linhas gerais, o romance traça o destino tragicômico de…