A Paraíba o tempo todo  |

Máquinas de camisinhas serão testadas em 2011 em escolas da Paraíba

Com o início cada vez mais precoce da vida sexual, a distribuição de camisinhas tem aumentado nas escolas. Onze mil colégios entregam preservativos aos seus alunos.

O número é do censo escolar de 2008, ano mais recente em que o dado foi pesquisado, e corresponde a 9% das escolas públicas e privadas. Em 2005, o índice era de 6%.

Os preservativos são disponibilizados principalmente via um programa do governo federal criado em 2004, o Saúde e Prevenção na Escola. Cabe aos colégios decidirem se querem distribuí-los.

Segundo Ellen Zita, do departamento de DST e Aids do Ministério da Saúde, a forma de entrega varia nas escolas: há distribuição sistemática ou só em data especial, como o Dia de Luta contra a Aids.

No Centro Educacional nº 6, escola pública de Taguatinga (DF), a distribuição começou em 2001 com "vale camisinhas" que podiam ser trocados no posto de saúde.

O posto cuidava de muitas adolescentes grávidas. Quando os professores falavam com os jovens, a principal reclamação era a dificuldade de acesso à prevenção. A experiência foi considerada bem sucedida e atualmente há uma sala com camisinhas disponíveis sempre.

A coordenadora do projeto na escola, Sandra Freitas, diz que pais de alunos novos, no começo, reclamam por considerar o sistema um estímulo ao início da vida sexual, mas depois entendem. "O jovem quando quer ter a primeira relação vai ter com camisinha ou sem", diz a eles.

De acordo com a Síntese de Indicadores Sociais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 30% dos alunos no 9º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) já tinham feito sexo.

Desses, 76% usaram preservativo na última relação.

Pesquisa da pasta da Saúde de 2008 mostra aumento no número de parceiros casuais em todas as idades e queda no uso de camisinha.

CAMPANHA EDUCATIVA

Para o psicólogo Antonio Carlos Egypto, do Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual, a distribuição de preservativos nas escolas é positiva porque não adianta falar de métodos de prevenção sem garantir acesso a eles. Ele pondera que a medida deve vir acompanhada de processo educativo.

No ano que vem, serão testadas em seis escolas do Distrito Federal, Florianópolis (SC) e João Pessoa (PB) máquinas de camisinhas nas escolas, que ficarão acessíveis aos alunos. A partir da avaliação da experiência, o projeto poderá ser estendido a outros colégios. O objetivo é ampliar a presença das máquinas, comuns em outros países não só em escolas mas também em bares e casas noturnas.

Folha Online

 

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe