Por pbagora.com.br

Por não recolher as contribuições patronais dentro do prazo e optar por sucessivos parcelamentos, a prefeitura do município de Pedras pode comprometer as futuras gestões na cidade. Um relatório do processo oriundo de denúncia por parte dos vereadores da oposição atesta o fato.

Ainda no início do mês o pré-candidato à prefeitura de Pedras de Fogo, Manoel Júnior, do Solidariedade, fez uma live justamente para alertar a situação precária em que se encontra o Instituto de Previdência Municipal da cidade, e constatar que a denúncia não se tratava de mera fake news, como alegava a gestão municipal.

Agora, caberá ao Ministério Público protocolar ação penal com base em relatório do TCE que atestam a apropriação Indébita. Segundo o Código Penal, é crime punido com reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa, deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e forma legal ou convencional.

CONFIRA OS DOCUMENTOS.

proc_11610_20_relatorio_inicial

 

PB Agora

Notícias relacionadas

Ex-prefeito de JP admite disputar cargo majoritário em 2022

Quase dois meses após encerrar o mandato de prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), quebrou o silêncio, e admitiu em entrevista à Rádio Caturité FM, que pode disputar um…

Tucana aprova medidas restritivas da PB e em JP contra a covid-19

Viúva do ex-deputado estadual João Henrique (PSDB), morto vítima da Covid-19, a deputada federal Edna Henrique (PSDB), apesar de integrar a bancada de oposição ao governador João Azevêdo (Cidadania), disse…