O coordenador da Bancada da Paraíba, deputado Manoel Junior (PMDB) comemorou a aprovação em plenário na noite desta quarta-feira, 27, do Projeto de Decreto Legislativo 1361/13 que anulou os efeitos da Resolução 23.389/2013 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que alterava arbitrariamente, o tamanho da representação de alguns estados na Câmara para as eleições de 2014. Pela resolução, Alagoas, Espírito Santo, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul perderiam uma cadeira, enquanto Paraíba e o Piauí teriam dois deputados a menos.

 

Como a composição das assembleias é vinculada ao tamanho das bancadas federais, a resolução alterava ainda, o total de vagas para deputados estaduais. No caso da Paraíba, o número de parlamentares na Assembleia Legislativa passaria de 36 para 30.

 

Manoel Junior criticou publicamente, o fato do Poder Judiciário ter invadido [mais uma vez] a competência do Poder Legislativo e criar regras que por força da Constituição Federal, cabe ao Congresso Nacional. “A decisão do Plenário, respeitou uma determinação da Carta Magna. Cabe a nós e não ao TSE, definir o tamanho das bancadas”, comemorou.

 

“Está lá no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, art. 4º, § 2º, para os senhores lerem: As bancadas federais dos Estados e Distritos Federais são irredutíveis. Afora isso, no próprio escopo da Carta Constitucional, está no art. 45, inciso XI, que é competência exclusiva do Congresso Nacional editar lei complementar para regular”, disse Manoel Junior. “Foi assim que este Parlamento, [Câmara e Senado], atuou para atualizar justamente a bancada do Estado de São Paulo, que tinha uma representação proporcional desigual, de 60 Parlamentares para 70”, explicou o peemedebista.

O parlamentar lembrou que lembrar que dois ministros do TSE divergiam da maioria dos ministros da Corte no julgamento da petição que deu origem à Resolução 23.389/2013, por verificar a inconstitucionalidade da iniciativa da Justiça Eleitoral para a fixação do número de parlamentares, "haja vista ser esta atribuição exclusiva do Congresso Nacional”.

 

Segundo o deputado, o Supremo Tribunal Federal (STF), também já havia declarado em julgamento anterior [ADI 267], que “apenas a lei complementar constitui o único e exclusivo instrumento juridicamente idôneo, apto a viabilizar e concretizar a fixação do número de deputados federais por estado-membro”.



Redação com Assessoria

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Deputada estadual exonera assessor acusado de assédio

A deputada estadual Doutora Paula (PP) exonerou um de seus assessores, após ele ser acusado de assédio sexual e de divulgar nas redes um vídeo íntimo da mulher assediada. O…

“A briga agora vai ser em Brasília” diz Carlão do Cristo ao anunciar que partido recorrerá sobre posse de Helena Holanda

O suplente Carlão do Cristo (PROS), que disputava junto com Helena Holanda e Marcílio do HBE a cadeira deixada por Eduardo Carneiro (PRTB) na Câmara de João Pessoa, anunciou que…