O presidente do Psol na Paraíba, Tárcio Teixeira, foi mais um no cenário político nordestino a se manifestar contra a declaração do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), que nesta sexta-feira (19) se referiu aos governadores do Nordeste como “daqueles ‘paraíba'”.

De acordo com comunicado emitido pelo presidente do Psol, os líderes dos estados nordestinos não podem ser tratados com desprezo. Tárcio classificou a declaração de Bolsonaro como preconceituosa.

Confira texto na íntegra:

Nasci no sertão do Ceará, cresci em Pernambuco, casei com uma baiana e escolhi ser Paraibano. Tenho o sangue nordestino em minhas veias, sou Paraíba com orgulho e com amor.

Não posso, não podemos, permitir que 9 estados do Brasil sejam tratados com desprezo, muito menos por um Presidente da República. Quando Bolsonaro diz que “desses grupos de governadores da Paraíba, o pior é o do Maranhão” ele não faz uma avaliação política de governo A ou B, ele usa uma homogeneidade preconceituosa para tratar nós nordestinos de Paraíba, da mesma forma como fez o jogador Edmundo ao criticar árbitro de futebol, quando na época foi duramente criticado.

Bolsonaro foi eleito com uma tarefa que já sabíamos ser superior as suas capacidades intelectuais e políticas, mas ganhou as eleições e é presidente do Brasil (eu gostando ou não), não apenas do Rio de Janeiro ou Brasília.

A postura de Bolsonaro deve ser repudiada, ele deve desculpas ao povo do Nordeste, no mínimo desculpas. A Câmara dos Deputados e o Senado tem obrigação de se manifestar sobre o caso, afinal de contas estamos falando de um caso de xenofobia praticado por um presidente da República.

Para completar ele ainda diz que “não deve mandar nada para ele não”, ao tratar de recursos públicos. Os recursos enviados para um estado não é para governador A ou B, mas para parte do povo brasileiro.

Também nesta semana o presidente abre a boca para dizer que “falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira”. Pois é Bolsonaro, mais de 15 milhões de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza e a maior parte desse povo fica no Norte e no Nordeste brasileiro. Negar a fome não é desconhecimento dos dados, mas uma postura de não reconhecimento de parcelar gigantesca do povo do nosso gigante Brasil.

Amo meu/nosso Brasil, amo meu/nosso Nordeste, amo minha/nossa Paraíba. Jamais podemos calar diante da fome e do desprezo!

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Galdino não vê necessidades de CPI da Calvário e reafirma confiança em deputados citados

Próximo ao retorno das atividades parlamentares na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o presidente do Legislativo estadual, Adriano Galdino (PSB), reafirmou sua confiança nos deputados citados na Operação Calvário, do…

Visando eleições, auxiliares de Cartaxo articulam data para deixar a PMJP

As articulações e estratégias visando as eleições municipais deste ano já estão a todo o vapor e quem ocupa cargos públicos precisa se afastar das funções para poder concorrer. Desta…