Por pbagora.com.br

Lula é acusado de abuso de poder econômico e político no pleito

A juíza Virgínia de Lima Fernandes Moniz, da Comarca de Ingá, acatou a AIJE (Ação de Investigação Eleitoral) movida contra o ex-prefeito Luiz Carlos Monteiro da Silva (Lula), candidato a reeleição em 2012, e sua vice, a ex-vereadora Daniela da Silva, em face de suposto abuso de poder econômico e político cometidos no pleito, e suspendeu por oito anos os direitos políticos do ex-prefeito.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) da Comarca de Ingá, na pessoa da promotora Claudia Cabral Cavalcante, também já havia manifestado parecer favorável a AIJE. A decisão da magistrada cabe recurso.

Lula é acusado de usar ônibus escolares no transporte de eleitores e cabos eleitorais para palestras e comícios e outros eventos políticos; de usar trator para transportar mudanças em troca de votos, bem como atos que caracterizaram conduta vedada, como a demissão de uma servidora em pleno período eleitoral, sendo esta contratada há 12 anos, estando ainda gozando licença por problemas de saúde.

Na sua sentença, a juíza destaca que deixa de cassar o Diploma dos investigados, por que eles foram eleitos em 2012.

Veja sentença abaixo:

Restando provada a prática de abuso do poder econômico e político pelo candidato que, como chefe do Poder Executivo Municipal, utiliza-se da máquina administrativa e incide na prática de conduta tendente a afetar o equilíbrio que deve existir entre os candidatos na disputa eleitoral, a procedência da ação é medida que se impõe.

VISTOS, ETC;

Diante destas considerações, BASILADA no art. 269, I do CPC e na legislação eleitoral pertinente (art.22 e ss. da LC nº.64/90, art. 73, I, II, § 4º e 5º da Lei 9.504/90), JULGO PROCEDENTE a presente INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL para em consequência aplicar aos investigados as seguintes sanções:
a) Multa no valor de 10.000 UFIR para cada um dos investigados;

b) Suspensão dos direitos políticos por 8 anos.

Deixo de cassar o Diploma dos investigados tendo em vista que os mesmos não foram eleitos.

Extraiam-se cópias e remetam-se ao Ministério Público a fim de se apurar a prática de Improbidade Administrativa.

P.R.I.

Ingá, 10 de setembro de 2013.

Virgínia de Lima Fernandes Moniz

Juíza de Direito Auxiliar em Substituição Cumulativa



Redação com Assessoria

Notícias relacionadas

PSOL critica pressa de Hugo Motta para privatizar Empresa de Correios

O ex-presidente estadual do PSOL, Fabiano Galdino, criticou hoje a iniciativa do deputado federal Hugo Mota (Republicanos/PB) de pedir urgência para a apreciação de PL 591/2021 que propõe a privatização…

Vereador Olimpio apresenta na CMCG Moção de Apoio ao projeto que cria o piso salarial para profissionais de enfermagem e parteiras

O vereador campinense Olimpio Oliveira, ao participar de mais uma sessão remota da Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG), na manhã desta terça-feira (20), apresentou uma Moção de Apoio ao…