O fato de Ricardo Coutinho ser ex-governador não intimidou o juiz Adilson Fabrício durante audiência de custódia na manhã desta sexta-feira, 2, em João Pessoa.

De acordo com o magistrado, a rotina acompanhada hoje pela imprensa pelo ‘peso’ do custodiado, não difere em nada na que ele tem todos os dias diante das demais situações que chegam a té ele.

“Eu faço isso todos os dias no Fórum criminal, é uma rotina, pra mim posso dizer que é fácil de fazer porque é só aplicar a lei processual penal e mais nada” declarou.

O juiz ainda justificou o motivo por não ter permitido que RC ficasse no 5º Batalhão, como requereu a defesa.

“Organização militar só é pra ficar recolhido militar, colocar uma pessoa civil lá sem o treinamento específico dos policiais militares para fins penitenciários fica difícil e vai atrapalhar o dia a dia da instituição. Além disso existe uma portaria do juiz titular da Vara Militar que proíbe o recolhimento de presos civis em organizações militares do estado da Paraíba. Tá se cumprindo tão somente isso e o meu entendimento de que deve ser recolhido só militar” pontuou.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: deputado vê feiras livres e lotéricas como pontos de contágio

O deputado estadual Anísio Maia (PT) alertou que os municípios não podem se omitir da responsabilidade no disciplinamento das feiras livres e das filas das lotéricas/bancos para evitar a aglomeração…

PL proíbe corte de água, energia e despejo por falta de pagamento durante pandemia

Visando estimular trabalhadores paraibanos a não saírem de casa e, desta maneira, reduzirem as chances de contraírem o covid-19, o deputado Wilson Filho (PTB) protocolou projeto de lei que determina…