Por pbagora.com.br

O governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), tem evitado fugir do debate político, sobre as eleições de 2022, mas sempre que indagado não foge de dar respostas. Nesta sexta-feira (12), não foi diferente. Questionado sobre a manutenção da parceria com o Progressistas, assim como aconteceu em João Pessoa, e em outras cidades do estado, no próximo pleito estadual, o gestor respondeu que sim, no entanto, deixou claro que se a dobradinha não for possível irá entender, sobretudo pela autonomia que cada partido tem para tomar suas decisões.

Segundo o governador, caso a parceria não seja replicada, ou mesmo o PP tenha a intenção de disputar a majoritária, ele não será opositor. João ressalta ainda que nenhum governador deve temer ou evitar candidaturas.

“Eu não sei se o PP tem nome na praça, eu nunca perguntei pois é um assunto que interessa ao PP e não a mim. O meu está na praça, se o PP vai ter nome pra ir para disputa, que assim seja, eu não consigo entender a preocupação de que o governo ou o governador tem que evitar candidaturas. Não é assim que acontece, primeiro pela autonomia que os partidos têm. Nós estamos construindo para o que aconteceu em João Pessoa possa ser replicado no estado todo, mas se não acontecer eu vejo com extrema naturalidade, cada um segue seu caminho e vamos fazer o enfrentamento na época devida. Eu não antecipo esse debate, saímos de uma eleição municipal agora, nesse momento meu foco é combate a pandemia e vacinação. Vamos deixar 22 pra 22”, avisou.

 

PB Agora

Notícias relacionadas

“Apresente ideias melhores”, reage Raniery sobre críticas a toque de recolher

O vice-líder do governo João Azevêdo (Cidadania) na Assembleia Legislativa, o deputado Raniery Paulino (MDB) rebateu as declarações do deputado oposicionista Cabo Gilberto que está colhendo assinaturas para tentar barrar…

Petista sai na defesa do decreto de Cícero para conter avanço da covid em JP e defende prática religiosa remota

Apesar do PP e PT a nível nacional serem adversários, em João Pessoa pelo menos no tocante a avaliação do decreto do prefeito Cícero Lucena (Progressistas) que restringiu atividades comerciais…