Por pbagora.com.br

O governador da Paraíba João Azevêdo (Cidadania) fez uso das suas redes sociais na noite de ontem (25), para analisar segundo ele, as graves alegações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro e pede investigações sobre possível interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. João se uniu a outros governadores e vice de cinco estados que consideraram gravíssimas as denúncias.

“As denúncias do ex-ministro Sérgio Moro são graves e precisam ser apuradas. Em meio ao combate à pandemia do coronavírus era tudo que o Brasil não precisava: divisão, acusações e perda de foco no inimigo comum neste momento”, disse João Azevêdo.

Noutro post o governador da Paraíba deu prosseguimento a sua preocupação: “Mas nossas instituições precisam estar atentas, também, para preservar a democracia, independente de turbulências políticas e administrativas.” Veja o post:

https://twitter.com/i/status/1254169369648803840

Além disso, os governadores dizem que a crise aberta com a saída de Moro da pasta é inoportuna num momento em que os esforços do governo federal deveriam estar canalizados no combate à pandemia de coronavírus.

O vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (DEM) disse que com a saída de Moro fica mais difícil a interlocução de governos estaduais com a União num momento de guerra de narrativas entre governadores e o presidente sobre a estratégia de retomada da economia. “A crise de saúde está sendo piorada por uma guerra de narrativas entre governadores e o presidente na questão do isolamento, o que dificulta a vida dos governadores. Com a saída de Moro esse trabalho fica mais difícil. Moro simboliza o combate à corrupção e a esperança de um Brasil passado a limpo e melhor para as gerações futuras. A sociedade brasileira fica perplexa com essa saída num momento de crise.”

Para o governador mineiro Romeu Zema (Novo), as interferências na PF citadas por Moro são um retrocesso político. “Há um Brasil até a Lava-Jato e outro pós Lava-Jato. Desde toda pessoa que está no setor público sabe que pode sofrer consequências se não agir bem. Ir contra isso é lamentável.”

Ronaldo Caiado (DEM), de Goiás, a saída de Moro afeta o combate à pandemia. “A tomada de decisão (pela saída de Moro) é inoportuna e só dificulta a construção de harmonia politica. A hora de é fazer o essencial, que é salvar vidas”, disse.

Para Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul, a saída de Moro desvia a atenção do combate ao vírus e deve retardar a retomada da economia. “A saída de Moro se torna mais grave na forma de como ministro sai, fazendo uma denúncia de interferência na Polícia Federal, algo grave e que requer investigação. A crise política agora tumultua, desviando atenção e energia que já deveria estar concentrada na crise sanitaria e econômica”, afirmou.

Helder Barbalho (MDB), do Pará, diz estar preocupado com os desdobramentos da crise. “Assisto com preocupação essa crise. Espero que governo não perca o foco no combate ao coronavirus. Temos que nos unir e não deixar que divergências políticas comprometam o combate ao coronavírus”, comentou.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Gastos de Walber com locação de veículos daria para comprar seis carros populares em um só ano

Assessoria alega que gastos com locação é direito de todo parlamentar e que valores condizem com preço praticado no mercado O valor de R$ 155.700 desembolsado pelo deputado estadual Walber…

Veja a agenda dos candidatos à Prefeitura de Campina Grande nesta quarta-feira

Os candidatos à Prefeitura de Campina Grande participam de visitas e reuniões no município, nesta quarta-feira (30). Confira a agenda dos candidatos: Ana Cláudia Vidal (Podemos) Continue Lendo Manhã –…