O deputado estadual Jeová Campos, do PSB, é um dos socialistas que ainda torce pela harmonia dentro do partido na Paraíba. Para ele, uma legenda que ganhou a eleição em primeiro turno não poderia estar dividida. E, nesse contexto, a postura de um parlamentar em especial chama a atenção – a do líder do governo na Assembleia Legislativa da Paraíba, deputado Ricardo Barbosa, que, diferentemente da de Jeová, prega a divisão no Jardim Girassol.

Em entrevista neste final de semana, Barbosa foi enfático ao se colocar fora do rol dos ‘comandados do ex-governador Ricardo Coutinho’.

“O PSB certamente que continua uma boa casa para os comandados do ex-governador Ricardo Coutinho, não para o governador João nem para nós outros que nos sentimos expulsos com a injustificável destituição ou golpe do diretório sob o comando do competente Edvaldo Rosas”, reagiu.

O posicionamento do atual líder causou estranheza. Apesar de evitar polemizar a fala do colega, Jeová, durante entrevista nesta segunda-feira (02) ao programa Arapuan Verdade, fez uma breve reflexão sobre a mudança repentina de postura de Barbosa.

“Eu gosto de avaliar a minha forma de pensar. Eu não gosto de fazer polêmica com compreensão dos outros. Me parece que até 2 anos atrás o companheiro Ricardo Barbosa tinha uma outra leitura sobre o companheiro Ricardo Coutinho, mudou muito rápido isso, mas é um direito deles”, cutucou.

Jeová disse ainda que atualmente muitos que se intitulavam ricardistas pularam do barco diante da crise. “Vejo outros que se intitulavam de ricardistas, de primeira montada, e que já mudaram de posição de forma rápida. Eu prefiro olhar as coisas como elas são. Vou repetir. Eu gostaria muito que não tivesse acontecendo nada disso. Um partido que ganhou as eleições no primeiro turno não poderia se dar ao direito de dividir a sua base e nossa base política não queria e nem quer essa divisão”, emendou.

 

PB Agora

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Opinião: em baixa, Cartaxo acende vela para Ricardo e João numa tentativa de continuar “vivo” na política

A história é cíclica ou retilínea? Isto é: ela está imersa na concepção que o ser humano pode agir de forma afetiva para “reproduzir” ações do passado, ou tudo foge…

Opinião: João endurece o pescoço e chama oposição de meia dúzia de malandros

Ao participar de eventos inerentes à sua administração, no Brejo da Paraíba, nesta sexta-feira (13/12) o governador João Azevedo deu o tom em que pretende “dialogar” com as oposições, quando…