Por pbagora.com.br

A população, a mídia e o Planalto foram surpreendidos hoje (01) com o pedido de demissão do presidente da Petrobras, Pedro Parente. A decisão foi anunciada após reunião com o presidente Michel Temer. O senador e pré-candidato a governador da Paraíba, José Maranhão (MDB), se manifestou sobre o assunto e declarou que o gestor tomou atitudes irresponsáveis e já deveria ter pedido demissão antes de prejudicar tanto ao povo brasileiro. 

Maranhão lembrou que ainda durante a greve citou, em discurso no plenário do Senado, a necessidade do presidente Temer chamar Pedro Parente e lhe dar duas alternativas, ou ceder aos interesses nacionais ou deixar o cargo. "Era para ter pedido antes de causar o mal que ele causou à economia nacional e sobretudo às pessoas humildes", declarou o senador. 

Para o emedebista, a gestão de Pedro Parente à frente da Petrobras foi "irresponsável", sobretudo, pela política de preços de combustíveis que foi adotada. "Quando o preço do óleo bruto tava quase 50% mais barato no mercado internacional a Petrobras não repassou os ganhos aos consumidores. Ou seja, os consumidores continuaram pagando o mesmo preço, sem redução. Quando o petróleo se elevou nos mercados internacionais, a Petrobras se julgou no direito de repassar  esses custos aos consumidores", explicou José Maranhão. 

Sobre o fato do ex-presidente da Petrobras, Pedro Parente, ter sido apresentado como um verdadeiro gênio da nova gestão na empresa brasileira, Maranhão explicou: "Era muito fácil para qualquer um apresentar resultados com uma política irresponsável como essa que vinha sendo praticada", finalizou.

 

Redação

Notícias relacionadas

Inclusão social: João entrega ginásio do Instituto dos Cegos

O governador João Azevêdo esteve, nesta segunda-feira (17), no Instituto dos Cegos da Paraíba Adalgisa Cunha (ICPAC), em João Pessoa, ocasião em que entregou o ginásio paradesportivo José Belarmino de…

Frente formada por PSB, PV, PCdoB, PT e PSOL não faz oposição a João Azevêdo

A frente formada pelos partidos PSB, PV, PCdoB, PT e PSOL, que se uniram contra o facismo e a favor da população para as eleições de 2022 não tem o…