A Paraíba o tempo todo  |

Investigação da PF aponta suposta fortuna de Jânio Quadros no exterior

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

As investigações da Polícia Federal na Operação Castelo de Areia revelam uma suspeita que envolve o passado de um dos personagens mais controversos da política brasileira: o ex-presidente Jânio da Silva Quadros.

 

A suspeita inesperada surgiu em meio às investigações sobre as operações da construtora Camargo Corrêa, que acabou chegando a nomes de políticos no meio de conversas e e-mails interceptados com autorização judicial. Segundo a apuração, o ex-presidente teria uma fortuna escondida fora do país.

As buscas pelo dinheiro começaram no apartamento do consultor financeiro Kurt Pickel, indiciado por crimes financeiros na operação da PF. A fortuna que Kurt se empenhou em localizar seria do ex-presidente e ex-prefeito de São Paulo.
 

 

Interessado na suposta herança, o neto do ex-prefeito, Jânio Quadros Neto, contratou o advogado Marcos Vilarinho, que pediu a ajuda de Pickel na empreitada. O consultor financeiro recorreu, então, a outro advogado, Patrice le Houelleur, de Genebra.

Kurt Pikel escreveu: “São fundos provavelmente substanciais, excedendo 20 mio, do senhor Jânio da Silva Quadros”, o que a Policia Federal interpretou como provavelmente 20 milhões em moeda não mencionada.

Kurt diz ainda: “o finado Jânio Quadros era conhecido como um homem inteligente, astuto e sem dúvida escondeu bem os fundos que possuía no exterior”.

Em resposta, o advogado suíço pede uma procuração assinada pelos herdeiros para iniciar a pesquisa nos bancos suíços.

No passado, Jânio Quadros foi acusado por opositores e pela própria filha de ter uma conta secreta na Suiça – o que ele sempre negou. Num dos e-mails para o advogado de Genebra, Kurt Pickel dá detalhes que, segundo ele, recebeu do neto de Jânio.

“Meu avô tinha uma conta no Citibank da Suíça. Esta conta foi fechada e o dinheiro transferido para uma nova conta”, diz.

O interesse do neto de Jânio Quadros está registrado em conversas gravadas. Numa delas, ele pergunta a Vilarinho: “Alguma novidade lá do advogado da Europa? Eles vão abordar a instituição? Como vai ser?”

O último registro da Policia Federal sobre as supostas contas secretas do ex-presidente é de outubro do ano passado. Segundo o próprio advogado Marcos Vilarinho, a família de Jânio Quadros concordou em interromper a procura por causa da dificuldade e do alto custo das buscas.

Informado pela polícia sobre o teor das interceptações, o Ministério Público Federal informou que vai abrir uma investigação específica sobre o caso e vai pedir informações às autoridades suíças.

 

O consultor Kurt Pickel não quis comentar as investigações. Nos Estados Unidos, o neto do ex-presidente Jânio Quadros negou que tenha procurado advogados para investigar a existência de supostas contas do avô no exterior.

 

G1

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe