Por pbagora.com.br

O deputado Hugo Motta falou hoje sobre a decisão do PMDB de entregar parte dos ministérios que ocupam no governo da presidente Dilma Rousseff (PT). Em entrevista a Rádio Sanhauá, ele disse que o Partido tinha a esperança de ter um novo ministério como estratégia para a reeleição de Dilma e o ministério seria dado ao senador Vital do Rego Filho.

Ele disse que Dilma queria tirar o ministério da Integração das mãos dos peemedebistas para atender a uma necessidade política de Dilma para evitar um embate político no Ceará. Hugo Motta falou sobre os cinco espaços que o Partido tem hoje e explicou que são dois entre os deputados federais, dois no Senado e a vice-presidência. Segundo ele, Dilma queria tirar a pasta da Integração dos deputados e convidar o senador Eunício Oliveira, para que ele abrisse mão de sua pré-candidatura ao governo do Ceará, deixando a bancada peemedebista do senado com três ministérios.

“O PMDB não aceita de maneira nenhuma perder este espaço e o senador Eunício ter negado o convite em respeito ao senador Vital evitou uma crise, mas a conta é muito simples. O PMDB tem sido fiador dos projetos do PT, os bons e os ruins”, afirmou

O parlamentar destacou que os motivos que levaram os deputados peemedebistas a se reunirem, ontem, foram firmar o espaço enquanto bancada e debater a situação. No fim do encontro foi emitida uma nota de apoio ao senador Vital do Rêgo Filho, “que está exposto há cinco meses a todo tipo de especulações” e, no documento destinado à presidente Dilma, “liberamos a presidente para agir da forma que lhe convier, mas ela terá que arcar com as conseqüências que virão”, explicou. Hugo Motta disse que a convenção do PMDB acontecerá em abril, e só então será decidido se o Partido seguirá na base de apoio do governo petista. –



Redação 

Notícias relacionadas

Sem unidade, esquerda pode ficar fora do 2º turno em 2022

O presidente estadual do Partido dos Trabalhadores na Paraíba, Jackson Macedo, disse em entrevista a imprensa que os partidos do chamado campo democrático podem ficar de fora de um possível…

Mesmo sob novo comando, CMCG é criticada por ‘dormir nas suas atribuições’

A mudança de comando na presidência da Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG) em nada alterou o andamento do trabalho legislativo. Pelo menos é essa a percepção do vereador Olímpio Oliveira…