Por pbagora.com.br

Líder do Governo na Assembleia Legislativa (ALPB), o deputado estadual reeleito, Hervázio Bezerra (PSB), acredita que o sistema proporcional. Para ele, antes de representar a união de bandeiras, é um pacto com fins eleitorais.  Até estas eleições o quociente eleitoral – ou seja, obtiveram uma cadeira na ALPB por meio de votação própria, sem depender dos votos totais obtidos pelo conjunto do partido ou coligação, estava válido.

 

“O interesse é localizado, com prazo determinado, no processo de eleição, não chega a prosperar. Não existe ideologia, é um grande negócio que chegam a fazer. Uma boa estratégia que só seve para campanha. Tem partidos aí que os deputados eleitos já divergiram da coligação”, disse.

 

Na avaliação do parlamentar, a dinâmica das coligações cria ‘mercados’ de votos. “No processo de filiação alguns partidos pequenos ficam procurando atrair filiados e pré-candidatos, dizendo que naquela legenda é fácil ser candidato, que não se precisa de muitos votos para eleger em determinada legenda. Eu defendo que deve se eleger quem tem voto, a minha vontade é que tivesse feito uma reforma de modo que fossem eleitos os 36 candidatos mais votados. Defendo o fortalecimento partidário e fim de coligação”, disse.

 

Redação

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Notícias relacionadas

2021 terá edição do maior São João do Mundo, em CG, só que de forma virtual

O ano de 2021 terá mais uma edição do maior São João do Mundo, em Campina Grande, na Paraíba. A festa, no entanto, terá adaptações por conta da pandemia do…

Câmara Criminal mantém condenação de ex-prefeito de Nova Floresta

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a condenação do ex-prefeito de Nova Floresta, João Elias da Silveira Neto Azevedo. Na sentença, proferida pelo Juízo da 2ª…