O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Adriano Galdino afirmou em entrevista nesta quarta-feira (04) que o PSB da Paraíba vai tomar dois caminhos a partir do rompimento do governador João Azevedo com o ex governador Ricardo Coutinho. Segundo prevê o deputado, alguns socialistas acompanharão o ex governador enquanto outros seguirão com João Azevedo.

Adriano ainda não decidiu para que lado seguirá mas deixou transparecer que seguirá o chefe do Executivo Estadual, como, segundo ele, deve fazer muitos socialistas. Ele repetiu que só pode sair do PSB em abril de 2020, mas se o partido o expulsasse, seria um favor.

Em longa entrevista, o deputado reafirmou que não houve traição por parte do governador João Azevedo. Disse que João fez a pré-campanha só e admitiu que RC foi descortês.

Ao comparar os dois governos socialista, o o deputado disse que governador João desde o início da gestão passa por dificuldades, diferente de Ricardo que pegou um terreno fértil.

“Diferentemente de João que quando chegou no governo no primeiro mês já houve a operação calvário que criou dificuldades para gestão,  João encontra fogo amigo que entra também no governo, enfrenta presidente que um dia tá normal e no outro não tá, encontra uma crise sem precedentes, todas as obras e ações estão sendo feitas com dinheiro próprio, então somando as dificuldades que ele tem encontrado, ele tem sido um Messi se comparado ao futebol, porque tem sido muito eficiente”, ressaltou.

Adriano observou que seu propósito como presidente da Assembleia Legislativa será ajudar João a manter a governabilidade como fez com Ricardo Coutinho quando também assumiu a Casa para que Ricardo pudesse implementar suas políticas públicas

“Acho que o apoio de Ricardo Coutinho foi fundamental e contribuiu bastante para vitória, mas Ricardo não é onipresente nem onipotente, ele contou com amigos e com o próprio João  porque no começo da campanha quando ele estava com 2% quem começou a fazer a pré-campanha solo foi João que mostrou muita competência, afinidade em dialogar e mostrar sua proposta com o povo. Ele conseguiu subir nas pesquisas sem a presença de Ricardo no começo, claro que o peso maior foi de Ricardo mas essa construção foi feita por muitas mãos” observou.

No entendimento de Adriano Galdino Ricardo exagerou e João foi muito correto e leal, mas o que “o ex governador queria nem João aceitasse ninguém aceita.

Para Adriano, Ricardo queria ser “governador sem ser”.

“Esse tempo já passou. João quer ser governador e foi eleito pra isso” afirmou.

Adriano garantiu que não tem mágoa nenhuma de Ricardo e até é agradecido a ele com ou sem seu entendimento, esse sentimento também devia ser do socialista, visto que o ajudou a criar as condições para a governabilidade.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

TRE-PB mantém calendário das eleições 2020 apesar da pandemia

Apesar da suspensão de atividades presenciais em virtude da pandemia do coronavírus (Covid-19), o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) garantiu, nesta semana, que a preparação do órgão para as…

Juíza determina que verba de campanha eleitoral vá para combate ao coronavírus

A juíza Frana Elizabeth Mendes, da 26ª Vara Federal do Rio, concedeu liminar que destina para o combate à epidemia do novo coronavírus os cerca de R$ 2 bilhões do…