Por pbagora.com.br
Foto: divulgação / ALPB

Focado em concentrar forças em ações de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19), o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino, defendeu o adiamento das eleições municipais para o ano de 2022, unificando o pleito. Galdino sugere que o fundo partidário destinado as eleições deste ano seja utilizado no combate à pandemia no país.

Galdino lembrou que é um defensor da unificação das eleições, pois, segundo ele, o país não suporta mais a realição de um pleito eleitoral a cada dois anos. “As eleições deveriam ser, todas elas, juntas: presidente, governadores, senadores, deputados federais e estaduais, prefeitos e vereadores. Deveríamos tem uma eleição a cada quatro anos”, explicou Galdino.

Em relação ao processo de 2020, o chefe do Legislativo paraibano argumentou que a realização dependerá muito do efeito do novo coronavírus e espera que no início do segundo semestre os tribunais eleitorais, em conjunto com o Congresso, façam uma avaliação. “Caso seja necessário o adiamento, defendo que a eleição aconteça no ano de 2022 para coincidir todas as eleições, pois acho muito bom para o país”, declarou o deputado.

Sobre o fundo partidário, Galdino ressaltou que o momento atual exige que o país tenha recursos para conter a pandemia e defendeu o direcionamento do fundo eleitoral para a Saúde. “O recurso que irá para os partidos políticos, já esse mês, poderia ir para o Ministério da Saúde e ser distribuído para estados e municípios para que possamos combater o coronavírus”, analisou.

 

PB Agora

Notícias relacionadas

Wilson Filho reforça falta de afinidade com novo perfil do PTB

Em entrevista à reportagem do PB Agora na tarde desta sexta-feira (14), o deputado estadual Wilson Filho (PTB) deixou claro que irá seguir os passos do pai no tocante a…

“Terá candidato”, diz Galdino garantindo que João irá se pronunciar sobre eleição presidencial

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o deputado Adriano Galdino, afirmou, neste final de semana, que o governador João Azevêdo (Cidadania) não deve ficar em cima do muro,…