Por pbagora.com.br

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, voltou a tensionar a relação com os militares. Desta vez, de forma velada, sem citar nomes, mandou recado para o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, Augusto Heleno. O general é um dos principais conselheiros do presidente e um dos mais respeitados entre os oficiais das Forças Armadas no governo.

As críticas de Carlos têm como contexto a prisão do militar Manoel Silva Rodrigues, detido em Sevilha, na Espanha, com 39 quilos de cocaína. Em um comentário publicado no Twitter carregado de ilações, Carlos questiona o trabalho de segurança do GSI. “Por que acham que não ando com seguranças? Principalmente aqueles oferecidos pelo GSI? Sua grande maioria podem ser até homens bem intencionados, e acredito que sejam, mas estão subordinados a algo que não acredito”, destacou.

O vereador não explicou o que quis dizer com “homens subordinados a algo que não acredito”, mas a declaração foi interpretada como ataques a quem está no topo da pasta, Heleno, e, consequentemente, os militares. Não é a primeira vez que Carlos sugere que oficiais das Forças Armadas não estão alinhados com Bolsonaro. Já chegou a questionar e incitar ataques nas redes sociais ao vice-presidente Hamilton Mourão e ao general Santos Cruz, então ministro-chefe da Secretaria de Governo.

Em desabafo, o filho de Bolsonaro diz que tem “gritado em vão há meses internamente”. “E, infelizmente, sou ignorado. Não digo que sou dono da razão e evitei, até aqui, ao máximo, me expor desse jeito, mas não está dando mais. Estou sozinho nessa, podendo, a partir de agora, ser alvo mais fácil ainda, tanto pelos de fora, tanto por outros”, declarou. O comentário se encerra com a mais grave ilação. Carlos sugere que o comentário pode lhe custar a vida. “Há muito mais nisso tudo! Mas viemos aqui para deixar uma mensagem! Creio que essa faz uma parte dela, mesmo que isso custe minha vida!”, acrescentou.

O GSI não emitiu nota oficial, mas pessoas próximas de Heleno na pasta e em todo o Palácio do Planalto garantem que o ministro ficou incomodado. “Quem gosta de ser atacado sem motivo?”, questionou um militar no Planalto. As críticas do 02 de Bolsonaro, no entanto, mostram um isolamento de Carlos nas ilações. O escritor Olavo de Carvalho, “guru” ideológico do capitão reformado e outro a ter entrado em recentes conflitos com os militares, não adotou o mesmo tom.

Em publicação nas redes sociais, publicou um vídeo em que Heleno e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, defendem o governo, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e a reforma da Previdência. “Ver o general Heleno no palanque, ao lado do Eduardo Bolsonaro, defendendo com bravura o nosso presidente, foi um grande momento para todos os brasileiros”, comentou Olavo.

 

Redação com Uol

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Vou solicitar que ele esteja conosco”, diz Eduardo Carneiro sobre apoio de Mourão a Cícero

Após o deputado estadual Eduardo Carneiro (PRTB) desistir da sua postulação a prefeitura da capital e te apoiado o nome do ex-senador Cícero Lucena (PP) a prefeitura da capital, o…

Primeiro debate com prefeitavéis mostra como será tom de campanha em João Pesssoa

O primeiro debate promovido pelo Sistema Arapuan de Comunicação nesta quinta-feira (17), entre os candidatos a prefeito de João Pessoa, deu o tom da campanha. Saúde, educação e corrupção e…