Uma polêmica nos últimos tempos trata da possibilidade de criação de Procuradorias ou departamentos de Controle Interno nos municípios, tal possibilidade foi rechaçada pelo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), Fernando Catão que disse que as cidades não teriam condições de manter a criar esses órgãos. Segundo ele, na Paraíba o órgão oneraria os cofres municipais em mais de R$ 1 milhão anual, o que dificultaria a manutenção por parte de algumas cidades.

 

“Está tendo um movimento para que os municípios criem suas Procuradorias. Eu fiz um cálculo rápido sobre a despesa e constatei um custo de mais de R$ 1 milhão por ano. Imagine um município com uma receita de R$ 11 milhões despender 10% das receitas para manutenção de uma procuradoria? É necessário o controle, é, mas acho que tem outras formas de racionalizar”, afirmou Catão.

 

 O conselheiro acredita que o uma única pessoa pode fazer o controle interno, gerando assim economicidade aos cofres públicos. “O custo é alto e não terá tantos processos que necessitem de uma Procuradoria”, afirmou.

 

 

Redação

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

“Ou acompanha o governador ou pede para sair” diz secretário sobre cargos no governo

O secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, declarou durante entrevista a uma emissora de rádio paraibana que ainda não definiu para qual partido ao qual deverá se filiar após…

Prefeito de Cabaceiras agradece Veneziano por emenda para aquisição de ônibus

O prefeito de Cabaceiras, Tiago Castro, divulgou ontem, 12, por meio das suas redes sociais a informação da destinação de uma emenda parlamentar do senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB)…